Eu tenho amigos, mas não um grupo

Como fazer com que um cara me note?

2020.10.28 03:06 iris103 Como fazer com que um cara me note?

Tenho 25 anos e sou mulher. Minha amiga tem um namorado, que tem um amigo q eu fiquei afim.
De um mês pra cá juntamos um grupo pra jogar among us e outros jogos, no discord e no whats, e acabou q ele se juntou a esse grupo tbm. Ultimamente, além de jogar, temos ficado até de madrugada conversando eu, ele, minha amiga e o namorado dela, mas sempre na de boa.
Só que eu gostei dele, sabe? E queria que ele me notasse pra que eu pudesse conhecer ele melhor. Só que eu nunca falei com ele no privado, e sempre que falo é só quando o povo se reúne pra jogar mesmo.
Acontece que eu não queria ir puxar assunto com ele no privado. Isso pq uma semana depois do povo começar a se reunir, coincidentemente encontrei ele no tinder, curti ele mas ele não me curtiu de volta. Então é mto provável que ele n tenha se interessado, e tenho medo de parecer desesperada. Sei q ele podia nem tar usando o aplicativo, então tbm n tenho como ter ctz. Pelo menos me deu uma ctz maior de q ele deve ser solteiro msm
Eu tenho ele no instagram mas eh pq ele adicionou a galera toda do discord. Enfim, presumo q ele n tenha me notado ainda ou não queira mesmo, aí n sei mto o que fazer..
Tbm não queria pedir pra minha amiga ou o namorado dela armar pq aí sim q ele pode me achar desesperada kkkk
E ele n posta nada no Instagram a milênios então fica estranho se eu for lá do nada curtir as fotos
Alguma sugestão?
submitted by iris103 to desabafos [link] [comments]


2020.10.27 00:42 eeekiee Sinto que preciso de novos amigos.

Oi, primeiramente obrigado por vir ler meu desabafo. Caso meu texto pareça confuso, mil perdões, tenho ansiedade e TDAH, além de fobia social.
Bom, eu tenho o mesmo grupo de amigos a mais de 5 anos, e como tenho fobia social(não consigo fazer amigos e ter contato social de forma fácil), desde que me mudei de escola e um amigo meu de infância me apresentou eles eu os considero como amigos, e até mesmo os únicos, mas de um tempo pra cá não me sinto muito mais confortável com alguns deles, sinto e percebo que às vezes preferem me excluir de alguns eventos(como jogar jogos juntos, e quando participo nunca jogam o que eu tenho vontade, só o que eles quiserem), além de parecerem tirar sarro da minha cara e não prestarem atenção quando eu falo e me cortarem. Isso acontece comigo e com um outro membro do nosso grupo de amigos, acaba que grande parte das vezes fica eu e mais esse um membro em uma call(chamada) separados, jogando algum jogo juntos. Acabo ficando farto, chateado e irritado por conta dessas pequenas coisas, e ando sentindo que chegou a hora de procurar novos amigos, ando meio perdido ainda mais pela quarentena. Obrigado por ler até aqui.
(Caso alguém goste de jogar Rust, Valorant(etc) e alguns jogos de Wii pelo Parsec, ficaria feliz em jogar junto com vocês e o outro membro do nosso grupo, somos meio timidos então provavelmente ficaremos quietos em grande parte nas primeiras horas, desculpa).
É meu primeiro desabafo e post aqui, desculpem qualquer coisa e obrigado novamente por ler.
submitted by eeekiee to desabafos [link] [comments]


2020.10.26 20:52 Otherwise_Cat3055 Sem ânimo pra nada

Faz um ano que minha mãe morreu e vim morar em outro estado com meu pai(trouxe meu irmão menor junto e minha irmã mais velha já morava aqui), é um estado grande e moro no centro, aqui tenho ótimas oportunidades e até arranjei um emprego pelo jovem aprendiz, só estou esperando a admissão de documentos (que tá levando um mês já) pra eu começar a trabalhar. Eu sempre fui um garoto dependente e agarrado a minha mãe, mas desde que ocorreu a tragédia eu consegui melhorar isso e hoje posso dizer que sou mais independente.
Porém mesmo após a perda eu passei por momentos felizes, faço coisas que gosto, mas sinto algo estranho, a cada dia que passa eu tô mais desanimado, sinto que no meu grupo de amigos virtuais com quem jogo junto sou o mais isolado e substituível e sinto dores de cabeça todos os dias, eu lembro que no meu antigo Estado eu era muito mais feliz e animado, conseguia superar os problemas e tinha um foco, até em questão de socializar com pessoas, hoje eu só sei conversar de uma forma "clichê" com pessoas e isso acaba nos afastando pois nem eu consigo ter saco de manter a conversa e também nem quero.
No fim de tudo eu não sei se isso é depressão, se me perguntarem eu digo com clareza que não sou depressivo mas as vezes tenho minhas dúvidas, e as vezes, bem no fundinho eu sinto um ânimo de recomeçar tudo, conversar com pessoas normalmente igual antes e parar de procrastinar
Enfim é isso, não sei se existe algo que eu possa fazer sobre isso, só queria desabafar tudo e não tenho muito com quem falar sem me julgar, obrigado por ler xd
submitted by Otherwise_Cat3055 to desabafos [link] [comments]


2020.10.26 01:22 Jackfruit-True BELEZA NO SÉCULO XXI MUDOU TANTO ASSIM?

Não sei, mas ao meu ver cada dia que passa eu tenho a impressão que estou ficando pra trás. Mas, na verdade talvez isso seja apenas um reflexo do local que eu vivo - interior do nordeste. Aqui na minha redondeza o padrão de beleza está envolvendo diretamente aquele ou aquela, que tem mais curtidas no Instagram, seguidores... Parece uma loucura, mas quando alguém chega para informar que está conhecendo alguém para seus amigos, a primeira pergunta é sobre a quantidade de pessoas que ele, ou ela, pode influenciar nas suas redes sociais. E, vamos ser sinceros, muita das vezes as fotos não chegam perto das pessoas que são pessoalmente.
Ai tentamos viver, como qualquer ser humano eu sou um que tenta viver em sociedade, e querendo ou não, tenho a misturar minhas angústia em fazer parte desse tipo de pessoas - em partes. Ao mesmo que eu condeno, apenas para fazer parte de um grupo.
Será só eu pensando assim, ou tem mais alguém aqui?
submitted by Jackfruit-True to desabafos [link] [comments]


2020.10.25 18:19 InternalGuava Conselho de vida: Não se compare com a exceção, se compare com a regra.

Isso aqui é mais um rant mesmo, mas acho que alguém pode pensar parecido comigo.
Primeiro eu vou dar o conselho, depois explicar o porquê de eu estar dando esse conselho.
Não se comparem com a exceção, se comparem com a regra.
Esse é um dos maiores problemas desses últimos tempos: as pessoas sempre veem uma EXCEÇÃO, o TOPO da pirâmide de determinada área, e já saem falando "VOU FAZER TAL COISA PORQUE FULANO DE TAL FICOU MILIONÁRIO FAZENDO ISSO!".
Quando forem analisar determinada área de negócio, foquem em analisar a BASE e não o TOPO. Procurem criar uma estimativa de como está a situação de quem está na BASE (salário, oportunidades de crescimento profissional, concorrência, nicho etc).
Essa perspectiva errada de analisar - e consequentemente, se comparar - com quem está no topo está criando um exército de pessoas iludidas, e acredito eu que seja uma das causas dos altos números de depressão e ansiedade existentes atualmente.
Na verdade essa comparação desnecessária sempre existiu, mas antes era menos descarada.
Antes você se comparava só com quem estava na TV, com aquele parente bem sucedido, aí ficava um pouco triste, mas seguia sua vidinha pacata.
Hoje você é bombardeado constantemente por milhares de pessoas bem sucedidas em todas as Redes Sociais e Plataformas que acessa, isso muda sua mente de uma forma que você não aceita mais ser mediano e cria uma grande frustração interna, porque VOCÊ PROVAVELMENTE É MEDIANO.
------------------------------
E agora, o porquê de eu estar escrevendo isso:
Me mandaram no grupo do Zap da minha ex-faculdade um vídeo de dois Youtubers que começaram um Podcast há apenas 2 anos e hoje estão faturando em torno de 170 mil por mês só por adsense. Depois veio aquela zoação de que todos nós estudamos a toa, que ser Youtuber é o que dá dinheiro, blablabla e talz.
Aí cresceu a raiva dentro do sujeito aqui, mas se eu fosse escrever esse rant lá iria ficar com fama de "chatão do grupo".
Olhem bem com quem as pessoas estão se comparando hoje em dia, com gente que deu certo no Youtube e está rico.
O problema é que o número de pessoas tentando ganhar a vida com Youtube, Twitch, Instagram, Tiktok etc, é enorme, está na casa do milhão (todo mundo conhece alguém que tá tentando ganhar a vida assim).
Só que para cada 1.000.000 de pessoas tentando ganhar a vida assim, 1 consegue; o problema é que essa 1 pessoa viraliza e ganha a atenção de milhões de pessoas, enquanto que as outras 1.000.000 não conseguem nenhuma visibilidade (e provavelmente não irão fazer um vídeo falando de como fracassaram).
E aí o sujeito vem, se compara com as pessoas do topo, e acha que vai conseguir também.
Aliás, ENTRETENIMENTO NÃO É PARÂMETRO PARA ESCOLHA DE PROFISSÃO. É uma área extremamente aleatória e baseada na sorte, além de na maioria das vezes ser curta. Mas não vou me alongar nessa questão.
------------------------------
Agora, vou dar alguns exemplos de pessoas do meu círculo social que vivem seriamente iludidas (quem não gosta de saber um pouco da vida dos outros, né? 🙂):
  1. Amigo da família que abriu uma loja de salgados com a justificativa que existe UMA loja de salgados aqui perto que vende milhares de salgados por dia (o cara, ao invés de se comparar com as milhares de lojas de salgados medianas da BASE, quis se comparar com a loja do TOPO, com o 1%).
  2. Conhecido que LARGOU sua faculdade no penúltimo semestre pra fazer Design de Interiores pois "existe serviço em qualquer lugar e tem Designer de Interiores que ficou milionário" (depois de um pouco de conversa, o cara admitiu que sequer fez uma pesquisa de mercado pra realmente confirmar essa ideia de que "existe serviço em qualquer lugar", só ficou tentando me convencer da parte que "mUh, existe DeSiGnEr miLioNáRio").
  3. Conhecida que passou por várias "profissões" e não se firmou em nenhuma. Saquem só quantas "profissões" ela tentou, vou falar na ordem: Cantora, Modelo, Blogueira de Receitas e agora virou Agenciadora do Instagram da filha recém-nascida, que por sinal não tá dando certo pois a bebê não tem nem mil seguidores ainda (A noção da realidade dela é totalmente deturpada. Um dia desses, seu namorado falou que a vida dela era ficar no Instagram. Acho que ela ta achando que a bebê vai ganhar milhões de seguidores que nem esses filhos de famosos).
  4. Amigasso meu veio pedir dinheiro emprestado pois sabia que ficaria rico no Day Trade. Perguntei pra ele se ele já se destacou seriamente em alguma área pra achar que poderia ganhar do mercado financeiro, aí ele me falou de um monte de youtubers de que ensinam a profissão e que "agora ia dar certo".
------------------------------
E, por fim, alguns conselhos que eu pude pensar até agora nessa manhã de domingo:
  1. CUIDADO com as redes sociais e plataformas de vídeo. Tentem pelo menos filtrar o conteúdo que consomem nelas (Ex.: Eu tenho um Instagram fake só pra ver memes, entro no meu principal apenas algumas vezes no mês pq nele tem uma saraivada de conhecidos mostrando como a vida deles é perfeita, e por mais que eu entenda essa dinâmica do Instagram, sei que se eu ficar consumindo isso não vou ficar bem de cabeça).
  2. O Jordan Peterson fala disso no livro dele, "12 Regras para a Vida". A regra 04 se chama "Compare a si mesmo com quem você foi ontem, não com quem outra pessoa é hoje". Sugiro que leiam o livro para terem uma ideia do porquê isso faz tão mal.
2.1 Na verdade, procurem por "Rule 04 Jordan Peterson" no Youtube que é mais rápido. Se vocês souberem inglês, é claro.
  1. Vocês podem sim chegar no topo de qualquer profissão ou área de interesse, mas primeiro foquem no que é seguro, no que vai deixar o dinheiro entrando todo mês para garantir o arroz e feijão de cada dia, depois vocês pensam em engrandecer pq engrandecer é exceção e não regra.
Bom domingo!
submitted by InternalGuava to brasil [link] [comments]


2020.10.25 16:01 BlurRex 6 anos procurando emprego, + de 300 currículos entregues e + de 60 entrevistas = Não consegui NADA! Cansei e vazei!

Isso é um manifesto. Venho por meio deste dizer que eu surtei. Tem 6 anos que procuro emprego e não consigo absolutamente nada. Moro em Brasília e eu não aguento mais esse lugar, já fiz um post falando que iria embora daqui devido a falta de oportunidades de emprego/cultura/lazer... e esse momento chegou. Estarei indo para São Paulo em Janeiro se não conseguir nada até lá.
Estou na minha ultima tentativa de achar algo, entregando currículos nos escassos mercados/farmácias/floriculturas e lojas aleatórias daqui, deve ter menos de 50 mercados e farmácias. Eu entreguei em 15 marcados e 10 em farmácias e 1 em floricultura na semana passada e amanha vou entregar no resto e ir em mais lojas de outros setores que não são pequenas e trabalha só pessoas da família (cidade do interior né) No total devo entregar uns 70 currículos.
Fui em mais de 60 entrevistas de 2014 até 2018. No início era quase sempre coisa do CIEE pq eu estava no ensino médio, era vagas pra Caixa econômica, Correios e umas lojas de shopping. Nunca deu em nada eu nunca fui chamado e creio que boa parte era pq eu não tinha experiência mas COMO TER EXPERIÊNCIA SE NUNCA ME DÃO A OPORTUNIDADE DE TRABALHAR PARA TER EXPERIÊNCIA!!???
Nessa época eu já tinha me formado em dois cursos avançados de informática Conhecimento intermediário do Photoshop, sei usar o pacote office completo e to sempre aprendendo algo novo, tenho uma digitação rápida graças ao curso, conhecimento do básico de hardware e software e como mexer em tudo e o intermediário do inglês e entendia muito, graças aos vários anos vendo musica com a letra traduzida e vendo série legendada. E não era um inglês mixuruca, eu conversava com vários gringos do Tumblr de boa, eu me garantia demais pra quem nunca pisou num curso de inglês e só tinha o inglês do ensino médio e estudava por fora sozinho. Mas isso nunca foi o suficiente pra ninguém aparentemente. (Agora em 2020 depois de fazer TI eu já tenho um conhecimento bem maior de tudo isso, melhorei demais meu inglês, Vejo filmes sem legendas e compreendo 95%, entendo muito mais de hardware e software....)
Hoje estudo francês sozinho, comprei um curso e irei fazer a prova para conseguir o certificado de nível A1 hoje, tem 10 semanas que comecei e já consigo ler textos pequenos, entendo por volta de 80% dos comentários em apps/jogos em francês do Google play, pq meu celular ta em francês e lá o povo fala o francês do povão, com gírias e tals. gosto de ler lá. Enfim, Estou aprendendo bem e coloquei isso no meu currículo atual que estou entregando por aí.
Em 2018 eu perdi a noção e cometi quase um crime pra minha saúde, eu andei tudo isso aí do print (PRINT AQUI, CLICA, A FOTO TA NO IMGUR) entregando currículos. Entreguei em tudo que foi loja até oficinas, que ali na Asa norte é lotado kkkkkkkkkk foram mais de 200 currículos nesse surto. Eu fiz isso em outubro, novembro e dezembro de 2018 e janeiro de 2019 1 vez no mês sempre começando do inicio da asa norte pq sempre tem umas lojas mais pra dentro do bairro e eu deixava elas pra depois, em janeiro, devo ter entregue uns 20 e só em loja pequena. Não consegui absolutamente nada, nem uma ligação só uma infecção urinária pq andei demais no sol mesmo tomando muita água, passei umas dores fortes e vim me contorcendo no ônibus.
Depois disso acordei pra vida e já comecei a ver que eu não era o problema, mesmo com muitas qualificações, só sem experiência, eu nunca consegui nem trabalho voluntário (sim, fui recusado em 3)
fui 1 ano ao psicólogo em 2016 e ela ja me alertava sobre isso, que eu estava me culpando demais sobre algo que não era culpa minha, era no mínimo culpa de JK kkkkkkkkkkkk mas eu ainda achava possível conseguir pelo menos vaga em algum fast food, sei lá (fui ingênuo)
Não moro exatamente no centro ali aonde o resto do Brasil conhece como Brasília e nós daqui chamamos de Plano Piloto, moro um pouco afastado e isso fode mais ainda qualquer oportunidade. Desde 2014 eu busco emprego, comecei com o jovem aprendiz que na época estava no auge mas o governo daqui direciona as vagas mais pra quem é adolescente de risco (pais viciado em drogas, na cadeia, pai/mãe violento) isso começou exatamente em 2014 e por isso geral estava sendo chamado pq geral aqui tem familiares nessas condições (sim, é uma cidade muito perigosa mesmo, um bairro tem guerra com outro e a galera de um bairro não pode ir no outro senão rola no mínimo uma surra) e eu não estou nesse grupo de risco, meu pai é funcionário publico mas num cargo baixo, não recebe 2000 por mês. Mas pro governo eu sou rico e isso já me foi dito até por uma assistente social de um programa de jovem aprendiz daqui, que por eu ser dependente do meu pai no imposto de renda até os 24 anos tudo do governo eu serei excluído. Esse provavelmente é um do motivos de nunca ter conseguido um jovem aprendiz. Mas já desencanei dessa, faço 24 anos em fevereiro de 2021, já era. Meu negócio agora é com vagas normais tipo mercado, farmácia, lojas... nunca consegui nada, eu desencanei do jovem aprendiz lá em 2017 quando comecei um curso na área de odontologia, esperando achar vagas mas não achei nada também, fui em 11 entrevistas em clinicas, em 1 sofri racismo de um paciente (era numa parte rica da cidade, o lago sul. Eu estava esperando na recepção e a moça achou que eu era faxineiro do local) e em outra o dentista riu na minha cara quando disse o nome de instrumental errado (EU TAVA NO 1º SEMESTRE PORRA) desencanei total dessa área quando fiz meus estágios obrigatórios e vi o quão podre é. enfim, Fui fazer TI - Desenvolvimento de Sistemas estou lá há mais de 1 ano e meio e nada de estágios os que aparecem dão pra quem mora perto da empresa pq gasta menos com passagem. Ainda estudo em EAD mas farei só esse esse semestre pra pegar o segundo certificado do 2º módulo, preciso dele para comprovar que posso atuar como Desenvolvedor de sites. Foi a matéria que mais gostei e pretendo focar nisso, fazer sites e vender.
Concluo que: O problema está realmente em Brasília e como ela funciona, nenhum dos meus irmãos conseguiram algo também e e isso lá em 2006/07/08 hoje eles nem moram mais aqui e não falta exemplos de pessoas que sofrem com a falta de oportunidades aqui, principalmente os da periféria de brasília que dependem de ônibus pra chegar no trabalho, esses quando não excluídos no processo por morar longe demais, demora no minimo 2 horas pra chegar no trabalho (e não Brasilia, praticamente não tem metrô)
Chegou o meu momento de sumir desse lugar pq senão vou ter 30 anos e morando com os pais, já comecei a vender tudo que tenho e não pretendo levar na mala, vendi casacos, calças que não servem mais, e tenho mais coisas a vender. Vou para São Paulo, só eu e minhas malas com o necessário para viver. Não tenho amigos, bichos, vínculos ou qualquer outra responsabilidade que me prenda em Brasília. também vou sem muito dinheiro, vou ver se consigo uma vaga em algum abrigo LGBT tipo o casa 1 por enquanto. Não conheço ninguém em SP só um amigo virtual que mora na Zona Leste mas ja vive de aluguel com pais. Eu vou, com medo claro, talvez eu sofra muito, passe fome, frio, durma na rua mas viver aqui não dá mais. sei que dias melhores virão.
submitted by BlurRex to desabafos [link] [comments]


2020.10.24 19:34 loopcurrents "amigos" ¿

Bom, eu tenho 17 anos e tenho um grupo de amigos desde 2018. Basicamente todas as pessoas entraram por minha causa: amiga do antigo colégio, amiga do Facebook, amigo de longa data, enfim. Todavia, eles são amigos entre si agora, independente de mim. Eles estão fazendo rolês quase toda semana (com várias outras pessoas, o nosso grupo mesmo são somente 7) e eu venho reclamando sobre isso (pela aglomeração, óbvio). O que me incomoda mesmo é a falsidade deles. Sempre com "sentimos sua falta!", sendo que a culpa por eu não ir mais é exclusivamente das escolhas que eles mesmos fazem. Eu já pensei em simplesmente sair do grupo e esquecer disso mas eu moro em uma cidade pequena no entorno do DF e seria bem improvável arrumar um novo grupinho para me divertir e tal. Sei lá, acho que eu só tô encarando a realidade de que eles nunca foram tão meus amigos assim..
submitted by loopcurrents to desabafos [link] [comments]


2020.10.24 08:56 Suplay69 Como se masturbar na maciota

(Isso é meio que uma dica, mas como foi bem longo e teve uma puta backstory, decidi marcar como relato)
Bem, pra que isso possa fazer algum sentido, vou dar um """leve""" contexto para vocês.
Sou homem, hétero, tenho 19 anos, e eu passei a minha adolescência inteira me masturbando. Mas tipo, eu meio que era viciado nisso, me masturbava não por prazer, mas sim pra "bater ponto", sempre que eu tava meio entediado, já batia uma na hora.
Mas chegou um momento que eu percebi que eu já não sentia tanto prazer como antes, por melhor que fosse o punhetão, eu já não sentia tanta coisa assim. Aí veio essa parada do NoFap, eu e alguns amigos fizemos uma aposta/pacto pra ver quem aguentava o mês de setembro todo no hardmode (sem punheta nem sexo) valendo 10 reais, e quem perdesse tinha que honrar a aposta e avisar num grupo que a gente criou no zap.
Até aí tudo bem, mas eu tava há uma semana de desvantagem, eu tinha começado o NoFap antes, e pra piorar, eu testava meu auto controle vendo uns porn daora quando me dava vontade, e foi em uma dessas que eu me perdi...
Eu tava com um tesão muito brabo, e pra me segurar, eu coloquei o pau entre as coxas e fiquei deitado de lado. Mas aí eu percebi que tava ficando bom, e inconscientemente eu comecei a apertar uma coxa contra a outra, e dar aquela clássica mexida no pau que teu cu pisca junto ta ligado?
Enfim, eu gozei gostoso pra caralho mano, e tudo isso SEM USAR A MÃO, o que me deixou até surpreso. Não precisei fazer um único movimento brusco em nenhuma parte do corpo, apenas permaneci imóvel e me concentrei na área que eu tava estimulando. Basicamente você só precisa estar com a mente em conjunto com seu corpo.
Logo percebi que mano, eu me masturbei sem a mão e puramente no stealth, me senti o Solid Snake da punheta bicho. Perdi a aposta, com certeza foi a punheta mais cara da minha vida, mas pelo menos fiquei entre os três primeiros 😎👍
Não sei se essa técnica tem um nome ou algo assim, mas fica aí a recomendação pros mano ae.
submitted by Suplay69 to sexualidade [link] [comments]


2020.10.24 03:20 DizzyWritter Desabafo besta sobre uma questão besta (à procura de amiguinhos que joguem wow)

Enfim, vou tentar deixar o desabafo rápido. (Edit: não ficou)
A alguns meses voltei a jogar World of Warcraft, o MMO que eu mais amo no mundo e recomendo a todos vocês que gostam de RPG que joguem (eu sei que é pago/tem mensalidade, mas vale o investimento, juro)
Problema é, por intermédio de uns amigos eu consegui achar uma guilda, e nessa guilda um grupinho pra jogar, o que é bom já que no wow fazer as coisas com um grupo fechado de amigos é bem mais fácil do que ser lonewolf (o que eu era desde que comecei a jogar)
Pois bem, jogávamos bastante, fazíamos várias dungeons e raids e era bastante legal, mas desde então teve uma atualização no jogo, já que vai sair a nova expansão, e a classe que eu jogo deixou de dar tanto dano no jogo quanto dava, e esse grupo meio que me "deixou de lado", enquanto antes disso meu privado era cheio de mensagem pra eu ajudar eles em alguma coisa, agora tá vazio, e eu sempre vejo eles jogando junto e nunca me chamam, hoje inclusive eu tentei conversar com eles sobre o motivo de terem me deixado de lado (na brincadeira, óbvio) e eles disseram que não me chamam pq eu tô sempre "fazendo coisas diferentes" e "nunca jogo com eles", sendo que eu não tenho como adivinhar que horas eles vão jogar, e também não quero ficar toda hora pedindo pra me chamarem, sei lá, fica parecendo que eu tô me forçando a me levarem por pura pressão.
É só isso mesmo, um desabafo besta sobre um otario ficando triste com os amigos deixando ele sozinho no joguinho. Podem julgar nos comentários se eu tô sendo infantil ou se isso é sacanagem deles mesmo, e se você jogar wow e tiver uma guild precisando de alguém, tamo aí, valeu! :D
submitted by DizzyWritter to desabafos [link] [comments]


2020.10.23 23:38 Sumate_ Eu sou decepcionante

Olá eu me chamo Sumate, tenho 17 anos e sou um estudante do 2° ano. Eu tenho 1,80 de altura, sou feio e peso 72 Kg, que é relativamente normal mesmo que eu não me alimente bem e nem pratique exercícios físicos, coisa que deveria fazer pois sinto que os músculos das minhas costas não estão aguentando manter minha postura. A única coisa que fico bastante incomodado no meu corpo é o meu bucho, que é muito elevado e giarda muita gordura.
De um modo geral sou uma pessoa bem desinteressante. Não tenho amigos e quase sempre estou sozinho em casa. Não consigo me comunicar normalmente com os outros e tenho um problema com timidez. Muitos me consideram inteligente, pois tiro notas altas; mas nunca achei, pois mesmo tirando notas altas eu nunca tive que me esforçar para isso, tudo o que eu sempre fiz foi prestar atenção na aula e simplesmente entender o conteúdo. Não tenho nenhum talento e nem sou bom em nada. Não tenho muitos interesses, no máximo gosto de assistir anime. Eu odeio ter que trabalhar em grupo na escola, eu sinto que os professores fazem isso simplesmente para me ver sofrer. Eu sei que sou desinteressante pois ninguém nunca quis ser meu amigo, apesar de eu nunca ter permitido alguém ser, pois sinto que não posso conviver com alguém que não me entende.
Não tenho ambições nem sonhos na vida. Tudo o que eu queria era ter um salário de classe média e assim viver uma vida comum e sem graça, que é o que alguém como eu merece.
Eu também não tenho muitos medos, talvez o unico seja de me tornar meu pai no futuro. Um velho viciado em pornografia que só sabe ficar reclamando de tudo e de todos, que prefere gastar dinheiro com bebida do que comprar comida para os seus filhos, uma pessoa totalmente ingrata e desagradável que tem coragem de humilhar minha mãe, que é a pessoa que mais ajuda ele, ficar chamando ela de empregada doméstica; isto eu nunca vou perdoar.
Quando estava no 8° ano lembro que as pessoas custumavam me zoar bastante, talvez possa ser considerado bullying. E teve um dia que minha irmã chegou e falou de uma brincadeira que o colega dela tava fazendo que era falando que eu era um retardado mental, e ela estava achando engraçado, tipo, ela era criança então acho que ela realmente não entendia. Quando eu ouvi isso dela eu comecei a chorar bastante, acho que era algo que eu já estava guardando dentro de mim por um longo tempo naquele ano. E sinto que comecei a me tornar uma pessoa horrível depois deste ano.
Ano passado tinha uma psicóloga atendendo na escola, eu pensei em ir lá, pois sinto que tenho alguns problemas; mas fiquei com vergonha e medo de que ela contasse para os meus pais, que é o que eu menos desejo nesse mundo.
Olhando a maneira como sou como pessoa, não posso ser considerado alguém bom. Eu me considero um baita de um perdedor e sinto que irei fracassar em tudo que tentar fazer, além de que não sou bondoso e nem me importo com a vida dos outros.
De um modo geral, eu realmente me odeio e penso seriamente em tirar a minha vida. Eu estou pensando em pelo menos esperar o fim do ano que vem, para ver se algo muda; mas no fundo eu sei que não vai. Eu acho que minha mãe vai sentir um pouco da minha falta e também vai se decepcionar um pouco, pois ela sempre teve bastante orgulho de mim por algum motivo que não entendo. Meus outros parentes não vão se importar muito, pois moram longe e nunca fui amigo ou próximo de algum deles.
submitted by Sumate_ to desabafos [link] [comments]


2020.10.23 16:43 Auxoiseaux A incursão dos manos

Recentemente, um amigo começou a trabalhar e lá começou a flertar com uma garota. Ok! Recentemente outro amigo meu começou a namorar. Ok! Ja faz um outro tempo que outro de meu amigo está com amizades coloridas. Ok!
Eu não tenho nada a ver com seus namoros, mas uma situação incomoda apareceu. E quero mandá-los à merda.
Todo ano, meus amigos e eu combinamos de sair em algum lugar pra se divertir, seja um evento de anime, seja um parque etc. Mas esse ano, por alguma razão 3 dos caras de um grupo de 5 homens simplesmente decidiram levar mulheres por que sim.
O pior é que o outro solitário e eu não queremos quebrar a tradição levando garotas. O outro cara (M) e eu (L) reclamamos. Então os outros três disseram que éramos inflexíveis e arrogantes. Vão levar suas minas e nosso role anual foi ferrado por cause de betagem.
Edit1: somos amigos de muito tempo, não queremos desfazer a amizade. Edit2: todas as garotas são desconhecidas dps membros, nunca as vimos antes. Edit3: nosso passeio é uma tradição entre nós e queremos segui-lá como fazemos todos os anos.
Se alguem tiver algum conselho pra que eu possa convencê-los de não lvar as minas por favor, pode me passar?
Se alguem tiver um ponto de vista diferente ficarei honrado em ler.
E se alguem tiver em situação parecida me diga o que pensa. Obrigado pela leitura.
submitted by Auxoiseaux to desabafos [link] [comments]


2020.10.22 18:04 Other-Pass-839 As opiniões dos outros são mais fortes que o meu esforço

Faz alguns meses que eu me sinto assim e eu meio que não sei o que fazer pra resolver o que eu sinto. Eu tenho estado muito abalado psicologicamente falando, eu estou estudando mais de 5 horas por dia, mas mesmo assim não me sinto realizado por isso. Esse sentimento de realização e de orgulho pelo que faço só existe quando outra pessoa, familiar ou amigo, reconhece meu esforço. Além disso, comentários dos meus pais estão conseguindo me deixar pra baixo com mais facilidade que o normal. Para explicar melhor, minha criação sempre girou em torno do sucesso, qualquer coisa que não apontasse pra esse sucesso imediato era descartado e colocado apenas como "perda de tempo". Um exemplo disso, participei de uma olimpíada nacional, a maior parte dela era online, mas mesmo assim exigia muito esforço, meu e do meu grupo, até a gente conseguir vaga na final que ocorreria em SP a coisa que eu sempre escutava quando me reunia com meu grupo pra trabalhar no nosso projeto era: "Isso aí é perda de tempo", "Você não vai chegar a lugar nenhum com isso", "Você tá se desviando do caminho dos estudos". Isso me destruía por dentro e até hoje faz meus olhos encherem de lagrimas. A parte importante vem quando fomos escolhidos pra ir a SP, estávamos na final. Nessa situação, eu virei o orgulho da família, minha ida era assunto constante nas conversas de WPP dos meus pais, mostrando o que eu e meus amigos conquistaram. Isso é um caso dentre outros que não vou contar. Atualmente, mesmo estudando bastante, dando meu sangue, eu escuto reclamações, se não é sobre estudo é sobre meu peso, sobre como eu uso meu tempo livre, sobre como eu sou desleixado, sobre como eu sou desorganizado. E não adianta consertar uma dessas coisas, sempre tem mais alguma coisa pra reclamar. Eu não sei de onde eu estou tirando forças, seja de uma música com mensagem motivacional, seja de amigos que compartilham de sonhos parecidos, mas as vezes eu só tenho vontade de ficar na cama mofando.
submitted by Other-Pass-839 to desabafos [link] [comments]


2020.10.21 20:37 Sumate_ É muito maçante estar vivo

Eu não tenho vontade de viver. Tenho 17 anos e tenho realmennte uma vontade de me matar, pois não importa como eu me vejo no futuro, nunca me vejo feliz ou normal. Eu não gosto de quem eu sou e basicamente ninguém também, com exceção da minha mãe e talvez da minha irmã.
Por algum motivo que não sei, eu acabei formando uma filosofia de vida que basicamente diz que estar vivo é sofrer, mesmo que tenha bons momentos não vai compensar, pois em algum momento o sofrimento chegará; e, na minha opinião, é melhor não sentir nada.
Minha vida é chata e monótona, não tenho amigos e nem sou próximo do restante da minha família, mesmo tendo uns 22 tios e tias e sei lá quantos primos. Para mim, viver é muito maçante.
A pandemia por incrível que pareça, pois amenizou um pouco da dor. Ir todos os dias para a escola e ficar vendo todos os outros em seus grupos de amigos enquanto eu sempre estava só era algo muito ruim para mim. E ficar em casa só é algo a qual já estou acostumado.
Dizem que quando se é desprezível os outros não reparam, e eu posso afirmar com toda a certeza que isto é verdade; eu sou quase uma sombra, pouquíssimos sabem quem sou ou se lembram, minhas opiniões não importam para ninguém, o que eu sinto não importa.
Uma vez eu fiquei muito interessado em um livro chamado japonês chamado "O manual completo do suicídio", infelizmente não consegui encontrá-lo em lugar nenhum. Continuei a pensar em qual seria melhor maneira de se suicidar, e cheguei a conclusão de que seria com um tiro na cabeça, mas aonde encontrar uma arma é um problema; então cheguei a conclusão de que o que mais combinaria comigo seria um enforcamento, o único problema é que eu teria que escolher alguma floresta com alguma árvore de altura adequada, já que aqui na minha casa não tem nenhum suporte para pendurar uma corda.
As vezes eu acho que eu não deveria ser tão pessimista quanto a vida, então tento melhorar. Tento cuidar da minha saúde, tento estudar, tento ser mais gentil e agradável com os outros, etc etc etc. Mas eu sempre volto ao mesmo lugar, lembro que sou desprezível e vejo que este esforço é inútil, isto não tem valor para ninguém nem mesmo para mim. Eu sei que ninguém nunca vai estar feliz por me ver me tornar alguém melhor, eu mesmo não consigo ficar feliz por mim mesmo. Eu sei que os outros não têm que estar feliz por mim, eu que tenho que estar; mas eu não consigo, pois não tenho valor na minha própria vida.
Estar vivo é muito chato. Tento tirar a felicidade dos pequenos prazeres diários: do meu episódio de anime, da minha bela partida de xadrez, do meus bons livros, da minha jogatina de clash, do novo conceito que aprendi em programação. Mas independente disso, sempre estou melancólico; é como se eu estivesse vivendo em um mundo sem cor, sem esperança.
Eu não sei se isto muda ou atrapalha em algo, mas nunca tive rede sociais. Como nunca tive muitos amigos ou conhecidos, nunca vi a necessidade de ter um. Sempre preferi ver vídeos ou jogar ou ler alguma coisa. Mas com o tempo, percebi que todos viviam quase que unicamente no mundo digital, no qual eu não estou. Não tenho vontade de criar, pois acho inútil. A única que tenho é o reddit, que uso exclusivamente para desabafar e não acabar morrendo ainda mais por dentro.
Enfim, eu precisava realmente desabafar.
submitted by Sumate_ to desabafos [link] [comments]


2020.10.21 15:20 micask Minha amiga acha que é preta

(vou usar o termo "preta" porque é usado no IBGE caso use negra, só substituir e eu sou branca caso seja relevante) Ontem á noite tive uma discussão com a minha melhor amiga, ela tem certeza que é preta, mas ela é a pessoa MAIS BRANCA que eu conheço, tentei falar pra ela que ela não é preta, pesquisei, mostrei um monte de dados pra ela e ela não entende que ela não é preta, ela estava tentando usar o colorismo pra passar como preta, mandei uma tabela de cores de pele preta (eu gosto de maquiagem então já sei um pouco sobre tons de pele preta) e o irmão dela é igual ela e passou na faculdade por cotas. Ela é descendente de pretos, o pai dela é preto, a mãe é branca, o cabelo dela é cacheado (o que não é específico da pele preta) ela tem traços de pessoas pretas (mas isso eu também tenho e me autodeclaro branca) e ela quer usar cotas raciais na faculdade assim como o irmão dela fez e passou. Eu não me importaria se a gente não tivesse na fase da faculdade, mas acho hiper injusto com pessoas pretas que sofrem de verdade usar um direito dos outros sabe, ela é branca, ninguém a encara como preta, não é como se ela tivesse a cor no meio termo e estivesse sem saber a própria cor. Eu não tenho lugar de fala, talvez por isso ela não se importou, preciso de opiniões de pessoas pretas, até pardas pra me falar se eu estou errada. Não sei como a faculdade do irmão dela foi tão irresponsáveis de aceitar a autodeclaração dele como preto, acho completamente estranho esse negócio de se autodeclarar porque qualquer um pode falar que é preto, indígena só pra ganhar cotas. Detalhe que eu sou amiga dela a 12 anos (desde os meus 4 anos) só agora em época de vestibular que ela conta que ela é preta e fazemos várias piadas sobre ela ser branca demais e nunca passou pela cabeça dela falar que era preta? Bem o que acham que eu devo fazer? Acham que eu estou errada? Estou conversando com uma amiga preta de pele clara pra ver o que ela acha e ela está concordando até o momento, meus outros amigos que estavam no grupo não falaram nada, talvez eu tenha saido como a errada.
submitted by micask to desabafos [link] [comments]


2020.10.19 06:42 CummyBear3462345 (Throwaway) Resumo da minha vida social no ensino medio

Só isso mesmo, gostaria de desabafar sobre como foi (o texto vai ser longo). Para dar algum contexto estou terminando esse ano, sou de escola publica, não tenho muita perspectiva para o futuro, estou brigando mentalmente comigo mesmo por causa de algumas coisas que não vou especificar, alem do mais sou bem introvertido e não tenho amigos no sentido literal, então algumas coisas que vou contar podem estar extremamente romantizadas. No primeiro ano eu ja havia perdido a maioria das amizades dos anos anteriores, entre eles o V, que se afastou sem motivos claros, me lembro que uma vez perguntaram para ele o porque de eu ou ele ter se afastado e respondeu que tinha a ver com o fato de eu ter afirmado que ia me distãnciar por causa do linguajar dele (eu tinha familiares na escola, e digamos que eu "faço parte" de um grupo religioso extremo e caso isso chegasse aos meus pais vocês já sabem), so que no contexto em que afirmei aquilo, pelo que eu me lembro, não era sério. Eu não culpo ele, afinal eu não esclareci minha situação, alem do mais eu não sou grande coisa nossa amizade era baseada em falar besteira e jogar no celular e não gosto de jogar futebol, no maximo volei, e não sou muito aberto para novas experiências no geral, basicamente tudo que é importante aos grupos populares e até de "nerds". O V éra o centro do grupo de, como se poderia descrever ? Nerds de classe média que quase não namoram e são tecnicamente populares, e um dos motivos de eu ter me afastado desse grupo era a chegada do JV. No começo ele era um cara legal e aos poucos me substituiu entre os "amigos", e quando eu tentava me aproximar do grupo acima mencionado ele me botava para baixo, basicamente caçoando da minha aparência fisica/jeito de andar igual a um robô, pior que eu gostava dele, sim eu sou gay não assumido, o cara basicamente circulava entre as caracteristicas de um zé droguinha gamer e me. Eu só "observava" o grupo a distãncia, as vezes bem proximo (coinsidentemente quando o JV não estava presente) ou isolado. Basicamente no primeiro ano eu me aproximei mais dos caras de outras salas, diga-se de passagem idiotas mas com personalidades parecidas com as minhas, totalmente desligado do ambiente da minha sala e até excluido de grupos para realizar trabalhos importantes, eu perdi nota por ter me isolado. A partir do ano seguinte (2019) era a mesma coisa só que o grupo de "amigos" da outra sala se desfez, a partir daí era questão de saúde mental me aproximar de alguem, no maximo fiz amizade com um cara do ultimo ano, mas não era o suficiente. Eu fiquei me perguntando o porque de eu não ter dificuldade de me aproximar, poderia ser pelos meus interesses, falta de acesso a celulares e games novos, ou algum problema mental que me torna incapaz de interagir de maneira inteligente/normal com as pessoas e por ai vai. Mesmo assim consegui me aproximar jogando Uno com o pessoal, mesmo eu sendo lento, tomando decisões idiotas, e sendo excluido muitas vezes eu insisti kkkkkk. A partir do meio do ano passado o JV foi embora, e eu me aproximei lentamente do pessoal da sala, e tive um ano melhor no geral, e com esperança de que 2020 ia ser a oportunidade de melhorar minha interação com os outros ou mudar minha vida no geral, só que daí alguem mordeu o morcego/pangolim e aqui estamos fazendo atividades a distãncia, e o maximo de contato (conversa) que temos é por meio de um grupo de whatsapp compartilhamento de atividades por materia que deu errado, afinal só eu e mais dois compartilhamos atividades (agora eu sei porque o comunismo não funciona). Portanto se você é adolescente e acha que sua vida social é fudida imagina a minha.
submitted by CummyBear3462345 to desabafos [link] [comments]


2020.10.19 04:54 Historical-Dot2329 Mestre de Aluguel

Olá a todos os aventureiros estou nesse momento divulgando o meu lazer que é mestrar RPG e agora como mestre de aluguel. É um projeto para atender os jogadores de RPG, se você tem um grupo de amigos que quer jogar qualquer módulo oficial 5edição,Tormenta,T20,DCC,StarWars,Opera,BTP.... essa é uma oportunidade especial para vocês conseguirem desfrutar desse mundo fantástico. Abaixo se encontram os preços que pretendo cobrar de CADA jogador da mesa.
Mesa para 4 jogadores = R$ 30,00 reais por mês - Semanal - 3:30~4horas duração
Mesa para 5 jogadores = R$ 25,00 reais por mês - Semanal - 3:30~4horas duração

Mesa para 4 jogadores = R$ 15,00 reais por mês - Quinzenal - 3:30~4horas duração
Mesa para 5 jogadores = R$ 12,50 reais por mês - Quinzenal - 3:30~4horas duração

Talvez eu tenha sido um pouco direto sem me apresentar,mas é que no face book ninguém costuma ler até aqui onde você esta lendo...deixa eu falar um pouco sobre a minha pessoa, Me chamo Bruno e tenho 27 anos nascido em são paulo em bairro violento sem muita tecnologia e encontrei no RPG uma paixão/vicio, sou mestre conhecido como ser "carrasco" mas é porquê sou justo com meus monstros e normalmente não alivio a barra... costumo pensar que toda ação tem uma consequência e consigo passar horas em uma taverna só falando besteiras sobre o mundo.
Sou muito aberto as ideias novas e contra qualquer tipo de descriminação seja racial,sexual....

Como um mestre profissional muitos me perguntam porque pagar por algo que posso jogar de graça ? Eu no começo quando comecei a cobrar pelas mesas também me confrontei com essa questão, porquê as pessoas deveriam me pagar por isso. Através dos anos de experiência eu consegui obter uma resposta, nós Mestres somos obrigados financeiramente a propor uma experiência única de muita qualidade para os jogadores afinal se estão pagando por isso é que estão realmente interessado isso acaba impactando positivamente no tempo investido para cada personagem dando atenção a todos com a preparação necessária. Ainda mais podemos falar que procurar por jogos grátis é complicado pois as vagas se esgotam rapidamente ou nem sempre você terá a oportunidade de jogar... O que eu faço é dar a oportunidade a todos de jogarem e não sentirem que seu dinheiro foi desperdiçado.

ME CHAMA WHATSAPP : 13 98226-1847
submitted by Historical-Dot2329 to LFG_Brasil [link] [comments]


2020.10.19 04:03 Livan_130 Me sinto "superior" aos outros

Entre aspas. Sempre fui uma pessoa sarcástica, e muitos me consideram alguém muito inteligente e com um potencial avançado, mas não me entendam errado — eu meio que não me sinto muito bem com isso.
Eu diria que mudei muito como ser humano aos 15 anos. Até os 14, eu era (e ainda sou) alguém mais reservado, não gosto da ideia de "ficar", não gosto da maioria das coisas que os adolescentes de hoje em dia gostam de fazer, e meu comportamento é sempre muito elogiado por todos. Os idosos até se surpreendem quando meus pais fofocam minhas atitudes "muito velhas pra minha idade"...
(Aliás, desculpem se a linha do tempo dos fatos ficar muito bagunçada kk eu não costumo escrever sobre mim mesmo e não sou muito bom em explicar as coisas de forma assertiva)
Eu não gostava de ir ao playground quando era criança, e meu pai insistia muito que eu fosse, mas eu achava perda de tempo. O que eu gostava de verdade era resolver problemas de lógica no computador da minha vó por horas, brincar de Lego e coisas assim. A propósito, meus pais são... Digamos que minha mãe seja 50% conservadora e meu pai o contrário. Acho que eles são simplesmente o motivo de eu ser tão "estranho" assim...
Eu nunca tive muitos amigos. Na verdade, acho que geralmente eu sempre tinha 1 ou 3, então eu não saía e nem saio muito de casa, o que eu acredito que me deu uma tendência de sempre sair apenas quando tiver um objetivo em mente (ir ao cinema, por exemplo).
Mas enfim (e finalmente), direto ao ponto do que eu queria falar: minha vida após os 15 anos. Eu sempre tive sérias crises existenciais (não do tipo que adolescentes brincam, eu realmente sentia essas coisas e pesquisava sobre), paranóia, e um sentimento de vazio dentro de mim.
Porém, certo dia, uma coisa "maravilhosa" aconteceu. Eu sempre fui fascinado por psicologia (nunca soube disso até esse dia) e pesquisava muito sobre isso, até que um dia, eu fui ler os artigos que aparecem naquela barrinha de notícias do Google e vi um assunto que me despertou interesse: "Você pode ter a personalidade mais rara do mundo".
Pra falar a verdade, eu estava meio "seco" naquele dia, então só cliquei naquilo por impulso pra ver até onde eu chegava ou coisa parecida, por mais que fosse bobo. Mas aí eu comecei a ler os fatores que a suposta "personalidade mais rara do mundo têm", e fiquei bem intrigado. Aí cliquei num link para fazer o teste, e assim, determinar minha personalidade.
Era um teste de MBTI. Enfim, direto ao ponto, descobri que eu era INFJ, e tive a maior epifania da minha vida. Até pesquisei o que epifania significava, porque eu lembro da palavra ter aparecido de repente na minha cabeça enquanto meu cérebro latejava de tanto processar o que havia acabado de acontecer. "Uau, eu tenho a personalidade mais rara do mundo!"...
E eu fiquei feliz. Muito feliz. Falei pros meus pais, pro meu melhor amigo (que ficou muito irritado (de forma amigável kkk)) e os dias foram passando, enquanto eu ficava mais e mais obcecado por isso. Até que um dia, durante esse tempo todo, comecei a ficar meio narcisista com o meu entorno. Eu não percebia isso, e foi difícil largar esse estilo de vida porque eu realmente gostava de pesquisar sobre narcisismo e ver que eu era melhor do que os outros narcisistas pois eu não me "entregava", justamente, ao narcisismo e mantia o controle das minhas atitudes.
1 ano se passou, e conheci o que o MBTI diria que é um INTJ em um aplicativo de chats públicos. Ele era um cara bem sério, e tinha muitos argumentos produtivos, tanto que até convidou pessoas para participarem de um grupo de debate, o qual eu gostei bastante. Mas... as coisas saíram do controle em certo ponto — ele queria literalmente dominar o mundo com o conhecimento que ele tinha. Ele era bem mais inteligente que eu, isso é fato. Mas eu não sei kk, achei aquilo muito bobo, e gradualmente parei de conversar com ele. E então eu me liguei como EU MESMO era bobo e como eu precisava de mudança.
Aos 16 - 17 anos, comecei a amadurecer de verdade. Geralmente eu tenho uma autoestima do tamanho de um arranha-céu, mas infelizmente, eu posso dizer que tive uma certa época de depressão. Me sentia muito, muito vazio por dentro, deixei meu cabelo crescer à vontade, andava lentamente, meus olhos sempre ficavam meio fechados, e eu não gostava de me relacionar tanto com as pessoas. Só restava o tal aplicativo de chats públicos pra me fazer uma certa ilusão de companhia.
Certo dia, uma luz se abre na minha vida. Por acaso, eu conheci uma garota muito legal por acaso em um dos chats, e então não paramos mais de conversar. Toda aquela energia negativa que eu tinha se foi, e eu sinceramente duvido que volte. Hoje, estamos comemorando 1 ano e 4 meses, e eu espero que dure para sempre, mas...
Já tenho 18 anos, e no fundo eu sei que ainda sinto esse ar de superioridade acima de todos os seres humanos, e quero largar isso. Não quero que afete minha vida e muito menos a vida dos outros. Meu planejamento é buscar um psicólogo, não importa quantos, não importa quanto custe, eu só quero me sentir realmente uma pessoa excelente, mas de forma boa.
Kkk enfim, desculpem por escrever um livro, mas foi um desabafo que não chega nem perto de tudo o que eu sinto... E senti que devia escrever...
Eu acho que todos nós humanos queremos que tudo tenha significado...
submitted by Livan_130 to desabafos [link] [comments]


2020.10.18 19:15 myneckmycrack Eu sou a feminista que os homens gostam

Tenho alguns amigos de direita, machistas e tal e eles me ouvem. Qualquer pessoa que eu falo sobre feminismo, por mais escrota que seja, concorda. Ontem um cara estava criticando feministas e dei meu ponto de vista e ele disse que foi a primeira vez que falou com uma feminista de verdade (hahahaha???). Sempre ouço isso e acho até meio zoado, mas prezo muito pelo fato de ser essa a forma que encontrei de debater ideias.
Um amigo meu que estava no role comentou que minha forma de expor as ideias é muito mais voltada ao prejuízo da mulher do que o privilégio dos homens e que isso faz a diferença, pq quando falamos do privilégio ou das coisas zoadas que rolam, homens tendem a se defender por não serem privilegiados e não praticarem atitudes machistas, mas quando o diálogo é baseado no ponto de vista feminino, do “prejuízo”, eles acabam criando empatia, e faz com que eles tenham empatia.
Por mais que em grupos feministas não vejam isso com bom olhos, eu me sinto muito feliz que eu consiga causar isso nos caras, muitos dos meus amigos disseram mudar atitudes por coisas que eu falei. Então se esse é meu jeitinho de mudar as coisas pra melhor, estou satisfeita.
Era só isso mesmo.
submitted by myneckmycrack to desabafos [link] [comments]


2020.10.18 15:58 sinsinemy Terminei o namoro e me arrependo amargamente

Muito longo, mas preciso desbafar.
Tudo aconteceu no último final de semana de setembro, a gente tava super feliz e estávamos prestes a fazer 1 mês de namoro e 7 meses que a gente ficava e se conhecia. Por culpa de um print ele ficou com ciúme de uma bem idiota (muito idiota) e parou de me responder, me ignorou o dia inteiro e eu queria sair com ele e NADA dele conversar comigo. Decidi sair sozinha com outros amigos, a gente pertence a grupos diferentes de amigos porque moramos há 33km de distância e é foda se ver todos os dias, ir nos mesmos lugares porque na prática é longe. Cheguei na festa e nada dele me responder, tentei conversar liguei, mandei mensagens em todas redes sociais e de verdade eu tava muito ansiosa, no mesmo grupo de whatsapp que a gente tava, ele tava marcando de sair com os nossos amigos e eu podia simplesmente sair dessa festa e ir pra lá pq era relativamente perto até. Mas ele não me respondia então eu justifiquei todo aquele print que ele ficou com ciúme e provei que não precisava daquilo, toda hora ele falando que não queria conversar comigo, eu ligava e ao mesmo tempo eu tava bebendo, juntou tudo comecei a ficar triste demais, comecei a me sentir insegura, pensei muita besteira, pensei em tudo de ruim e a única coisa que eu queria era conversar com ele pra ve se me acalmava e eu não tinha nenhuma resposta. Chorei bastante, tava muito abalada e na mesma noite eu falei que era melhor a gente terminar (por mensagem), falei várias coisas por impulso, terminei por impulso e por toda aquela tensão. Me arrependo bastante. No outro dia eu tentei falar com ele, tentava e tentava porque eu tinha me arrependido bastante cara e ele já tava tipo "vc terminou cmg" e me repreendeu por eu ser imatura de ter feito isso e não pensado no depois. Chorei, fiquei mal bloqueei e desbloqueei ele por no mínimo 8 vezes. Não conseguia me afastar. Pedi pra que ele deixasse eu ir na casa dele pra gente conversar melhor e fui lá, levei até um par de aliança baratinha torcendo muito que desse certo. Conversamos, se acertamos mas ele tava meio diferente, falava umas coisas que eu não gostava mas que ele sim e que a gente não combinava tanto assim, saímos, se beijamos, conversamos e eu achei que daria certo e que ia ficar bem, tava com muita esperança. Dei aliança pra ele no fim da noite e depois disso a gente teve um momento nosso, foi lindo. No outro dia ele já tava meio distante, meio chato e fomos fazer visita na casa da tia dele, foi legal, ganhei bastante presentes e eu amo a família dele, me sinto muito feliz e confortável quando estou lá. Esse dia eu tinha que ir embora e ele ia sair com os amigos dele, me chamou e eu não tava super afim, sabe? Falei que pegava o mesmo caminho que ele e ia embora. Assim foi, fomos e ele ficou o caminho todo no silêncio, não falava, não pegava na minha mão, nao me olhava, não reagia a nada e eu só queria alguma demonstração e se por acaso eu mudasse de ideia pra ir com ele, já que os amigos insistiram pra eu ir e ele nada, sem reação alguma e isso tava me incomodando demais, eu tava quase chorando. Fui direto pra casa, com aperto no coração porque queria tar com ele mas eu me sentia desconfortavel de tar com ele, complicado. No outro dia ele me ligou e terminou comigo, sem mais nem menos, dizia que me amava e falou que não dá mais. Eu insisti muito, demais e falei que dava certo sim e esse foi o dia mais triste. Doeu demais. Sofri muito. Chorei e chorei tanto. Porque ele falou que não, mas falava que me amava e me agradecia por tudo mas falava que não. Era muito ansiedade e eu falava com ele, eu tentava mandar mensagem como se fôssemos amigos pq eu não aguentava não passar 1 dia sem saber sobre ele, sempre a gente caia numa conversa legal sobre a gente, ria e entendiamos que a gente tinha terminado, que somos ex e falávamos sobre esperança que era algo que eu tenho e ele fala que também tem. Eu amo ele demais, sou apaixonada por ele, isso é foda. Mas eu falei até sobre a gente "ficar", pra gente se ver e eu tava com muita saudade e ele aceitou. A gente saiu e foi perfeito, eu ainda era apaixonada por ele e tudo que a gente fazia era bom demais. Sentamos e conversamos mais sobre o nosso término, ele falava que não tava pronto pra namorar e até disse um "você merece uma pessoa melhor", mas eu tentava falar que não e que ele era o melhor pra mim. Ele falava que não tava pronto, que me amava muito mas tinha que pensar mas pensar em que? Quem amava tinha que ficar junto, mas eu baguncei a cabeça dele, eu terminei do nada, tava muito bom que eu estraguei tudo. Fiquei triste e comecei a chorar do lado dele e ele me abraçava e falava que me amava, insistiu pra eu ir pra casa dele e a gente sair no outro dia. Eu aceitei. Dormimos juntos e foi muito bom, mas ele nao era 100% meu (namorado), eu me sentia muito bem com ele, era gosto demais todos os nossos momentos. Levantamos o outro dia e fomos, senti ele distante de novo pegava na mão dele, foi legalzinho e eu curti todo o momento da melhor forma que dava. Eu tava com ele e só isso importava e fui (de novo) pra casa dele pq tava muito tarde pra eu voltar pra minha, dormimos juntos e passamos o dia seguinte inteiro juntos e eu tive que ir embora, que tinha algumas coisas pra resolver em casa também. Pra mim a gente ia continuar assim, conversar e sair as vezes. Cheguei em casa, me bateu a saudade maldita, ele passou 1 semana me respondendo só o necessário e bem seco, não puxava assunto e nem nada. Eu tava sozinha de novo, fiquei triste e mandei aqueles textos de como eu tava me sentindo pra ele e ele ficava :/ e falava algo desconexo ou mandava eu parar de ser assim, teve uma hora que não aguentei mais e falei se a gente podia resolver de uma vez. Cobrei ele de me responder direito e ele disse que a gente tinha falado o bastante. Tentei conversar pra eu parar de ter esperança nisso e mandei ele dizer se era o fim e acabou ou que ainda iria tentar. Ele só falou que não queria conversar comigo naquele momento e eu compreendi e ao mesmo chorei muito, muita dor, muita tristeza e parei de responder também. Falei pra mim mesma que não iria insistir ou chamar ele de novo, que era melhor um tempo afastado, sei lá, só um tempo. Um tempo pra ele pensar e pra mim também, eu sei que ele me ama como eu também amo ele. Por algum motivo não tá dando certo agora mas eu espero que do fundo do meu coração dê certo, eu tenho esperança. Ele é meu primeiro amor, não foi o meu primeiro namorado mas foi a pessoa mais intensa e ao mesmo tempo a melhor pessoa que já conheci. Termino isso aqui numa poça de lágrimas. Até.
submitted by sinsinemy to desabafos [link] [comments]


2020.10.18 05:00 PetterGold776 3 Anos vivendo com um amigo tóxico

Eu sou um cara bem novo, que nunca teve muitas amizades e passou por tudo isso despercebido, Eu fiquei por 3 anos sendo amigo de uma pessoa tóxica.
Gostaria de informar aqui depois de escrever tudo, que o texto é extremamente longo e algumas partes podem ser demoradas e chatas, não te culpo caso queira pular para o TL;DR do final aonde é uma versão mais resumida.
Eu gosto de ser elogiado e quero que outras pessoas sintam o mesmo, portanto eu elogio um amigo meu quando ele faz algo que ele considere importante e gosto de sentir que ele está feliz por causa do meu elogio, só que por 3 anos eu conversava e me importava com esse tal amigo (vamo chamar ele de V) que nunca se importou de verdade comigo ou coisa do tipo, eu só servia para fazer ele rir e um saco de pancadas emocional, não importava o que, se eu perdia em algo ele praticamente ria de mim, se eu vencia em algo eu nunca ganhava o mínimo de reconhecimento, e se eu era melhor que ele ficava irritado e me chingava, e se eu o elogiava ele só ficava se exibindo mais e mais como uma forma de ganhar atenção, ele praticamente me fazia me sentir errado em tudo.
Por que eu não larguei ele ou eu percebi que ele era um escroto comigo? Porque eu não sabia de mais ninguém que eu conseguisse fazer rir tão facilmente, eu por ser uma pessoa que basicamente se importava mais com a felicidade momentânea dos outros mais do que a minha própria felicidade, e por não saber o que era uma amizade normal ou o que era uma amizade tóxica eu achava que eu tava vivendo no paraíso. Eu sempre via outras pessoas como youtubers com amizades perfeitas, mas na minha cabeça eu não dava muita bola e pensava que eles também sofriam da mesma coisa, eu ignorava quando esse pensamento via a tona.
Por 3 anos, praticamente todo o dia era o mesmo, era tentar fazer ele rir e no final do dia sair estressado por causa de briga, coisa que ele conseguia ignorar em 4 segundos, por que esse era o objetivo dele, era me fazer ficar estressado! Eu por me preucupar demais com a felicidade dos outros, acabava que eu fico extremamente ansioso e estressado quando eu ferro com alguma coisa ou faço com que alguém fique irritado. Eu cheguei a ter que falar comigo mesmo por uns 3 ou 5 mêses durante uma depressão, porque eu era a única pessoa que eu conseguia falar sem me estressar e rir sem peso na consiência. Essa depressão ocorreu por causa que eu ferrei com a oportunidade de sair com uma menina que eu gostava, que também gostava de mim, e não somente ela saiu com um cara umas 3 ou 4 semanas depois, como eu não podia contar pra esse meu amigo por que ele iria rir da minha cara, e depois de 1 ou 2 anos, quando eu finalmente contei sobre essa história pra ele adivinha o que aconteceu? Pois é.
Uma das piores coisas é que eu tinha um outro amigo (chamar ele de C) que também era envolvido com esse V, e que eu infelizmente descontava uma parte do estresse nele, já que não tinha outra válvula de escape pra mim. Eu óbviamente não estava certo e é uma coisa que vai me marcar (não no bom sentido) por um bom tempo, mais pra frente eu me toquei do que eu fazia depois de zoar e muito com a cara dele, chegava ao ponto em que eu não conseguia ter uma hora de paz só de lembrar do que eu tinha feito. Hoje em dia eu faço de tudo pra tentar me desculpar de alguma forma, mesmo ele falando que não se importa.
Um rápido resumão aqui por que já ta ficando muito longo, ele me apresentou um outro cara (vamos chamar de G, relaxa eu ainda vou usar esses nomes) que realmente me tratava como um ser humano e não como um senhor de engenho pra um de seus escravos. E que pra mim foi algo muito diferente, como assim alguém que tem conversa com outra pessoa e ouve ela, sem o puro objetivo de ignorar o que ela tem pra falar só pra reduzir ela e esperar um elogio??
Logo toda aquela gritaria e pressão foi demais e eu resolvi parar de jogar com eles, pois eu me sentia entediado de tudo, não somente por que jogavamos o mesmo jogo todo o dia, mas porque do que adianta fazer algo sendo que eu sempre vou ser um lixo?
Tudo isso foi exclarecido quando a gente jogava um RPG, uma exessão que eu fazia entre os jogos que nós jogavamos, pois ainda não tinha toda a graça removida 100% por causa do V. Esse RPG tinha mais outras duas pessoas que eu não conhecia muito bem, e uma delas falou brevemente sobre um RPG que o Cellbit tava fazendo. Eu na época sem mais nada pra fazer resolvi ver, e comecei a me questionar mais e mais sobre "...eu realmente tenho um amigo, ou uma pessoa que me quer morto?", eu entendi finalmente, que todas aquelas pessoas a minha volta, por mais chato que eu seja, gostavam dos meus elogios, e me elogiavam quando elas podiam, TODAS menos o V, esse ai aqueria era que eu fracassasse mais e mais só pra rir de mim.
Mesmo que ninguèm ali se importava ou me conhecia muito bem, eu sentia querido de alguma forma e quis mudar pra melhor, to tentando ao máximo fazer cada um deles uma pessoa especial e estou tentando agradecer o máximo que eu consigo.
No dia do meu aniversário, eu quis aproveitar e jogar com o G e somente o G. Um tempão depois do jogo, tipo 1 ou 2 horas, o V começou a me chingar só que dessa vez ELE era o estressado, perguntei pro G o que ouve e por que do V estar me chingando tão frenéticamente do nada, e G me explicou que era por que eu tinha jogado sozinho com G, e dai quando o G estava falando sobre isso para o V, o V questionou sobre o por que G ou eu não convidar ele e a resposta do G foi "hora, porque você é chato.", e SOMENTE ESTAS PALAVRAS foram o suficente para o V ficar de birra e tentar me confrontar. Ele falava algo como "O PoRqUE VocÊ nÃo me ConVIDa ParA aLgO Que vOCê SaBE que eu GoStO?!", eu usei o argumento de "então porque vocês não me convidam e falam em call por privado?", e ele me respondeu com um "PorQUe VoCÊ é ChaTO !".
Por mais que eu achasse errado, eu me sentia feliz por finalmente conseguir pelo menos fazer ele sentir uma pequena doze de todo o estresse que ele tacou na minhas costas por 3 anos sem erguer um dedo sequer na direção dele, mesmo eu sabendo que estava correto não quis continuar, por que era capaz de ele espalhar coisa destorcida para as outras pessoas que REALMENTE importam, então eu só falei um "desculpa", pra ele pelo menos achar que eu me sinto errado.
Eu não sei se G estava falando a verdade ou só foi uma resposta pro V calar a boca, mas se ele também acha o V chato, pode ser um passo e tanto. Eu não quero colocar niguém como o C ou as outras pessoas do nosso antigo RPG no meio dessa minha treta toda, e acabo tendo medo de estragar minhas amizades com eles por ser muito chato e não jogar praticamente nada, ou por eu dar ficar de saco cheio do V e por eles serem amigos do V por mais tempo, achar por estinto que ele é o coitadinho, pelo o que eu vi, até agora eu sou o único saco de pancada emocional dele, mas se esse cara tentar mecher com o C ou com o G eu vou defender eles com unhas e dentes, por que é o mínimo que eu posso fazer.
Eu acho que gosto de uma menina que o V, la no passado disse que eu me daria muito bem, nós nos conhecemos brevemente pelo RPG e nós nos conversamos as vezes nas raras ligações que eu faço no grupo até hoje. Tenho medo de estragar com uma futura amizade já que somos somente conhecidos ou até mesmo do karma, mesmo já tendo passado por algo mil vezes pior do que seria a resposta do mesmo.

TL;DR: Vivi com um amigo tóxico do meu lado por 3 anos que me tratava como um saco de pancadas emocional, e depois de tanto tempo eu finalmente percebo no que ele me tornou e o modo que ele me tratava, e estou tentando consertar todas as besteiras que eu fiz enquanto estou caminhando num campo minado, aonde posso perder todas as futuras amizades em potencial que tenho se fizer qualquer besteira relacionada a elas, e aonde eu não posso esperar por muito tempo pois posso perder contato.
submitted by PetterGold776 to desabafos [link] [comments]


2020.10.18 04:35 JokinhaAa Alguém me ajuda!

Bom, recentemente tive minha primeira experiência com rpg (Jogando no caso, já tinha visto pessoas jogando) e me diverti bastante. Só que eu tenho muitos amigos que também nunca jogaram mas gostam. Então eu tive a genial (porém idiota) idéia de mestrar um rpg original pra eles. Só que eu não sei o que eu tô fazendo! Eu adoro escrever histórias e contos, sempre fiz isso, já fiz até roteiros, mas com rpg é diferente. Eu não sei como desenvolver a história, não sei como modelar tudo. Eu tô perdido e quase desistindo de mestrar pra eles, mas fico com receio de eles me odiarem, já que eles estão super ansiosos. Já faz duas semanas que montamos o grupo, e eu não fiz nem uma página sequer. Se alguém puder me dar dicas, ou me enviar um modelo de escrita eu ficaria muito grato. É sério, eu tô pedindo socorro.
submitted by JokinhaAa to rpg_brasil [link] [comments]


2020.10.16 22:23 Creative_Oven_6350 Estou na minha segunda formação e há quase três anos procurando emprego. Não consigo nada. A frustração está acabando comigo há muito tempo.

Bem, antes de começar, essa conta é uma throwaway, já que pessoas próximas podem ver o post.
A questão é a seguinte: logo que saí do Ensino Médio, consegui entrar em uma universidade federal. Na época eu tinha algumas ideias do que queria fazer para a vida e decidi arriscar na que me parecia mais legal. Não me entendam mal, não é que eu me arrependa de minha escolha, honestamente se não fosse por ela eu não acho que seria a pessoa que sou hoje e não conheceria minha namorada (com quem tenho um relacionamento há 5 anos).
Para ser mais específico, eu entrei em Licenciatura e Bacharelado em História, na UFPR. Eu realmente gostei do curso. História sempre foi uma área que me fascinou e durante a formação pendi cada vez mais para a pesquisa. No entanto, claro que na metade da graduação percebi a falta de perspectivas de pesquisas nessa área no Brasil e comecei a pensar em alternativas de onde trabalhar.
Sempre gostei de dar aula, apesar de nunca querer ser professor do Estado. Então entrar em PSS não era uma opção. Antes da minha primeira graduação, durante e até um tempo depois, sempre trabalhei informalmente em negócios da família. Fui assistente administrativo no escritório de contabilidade dos meus pais. Ajudei na pequena gráfica digital que meu tio tinha, tanto no balcão quanto no setor de compras. Esses trabalhos me ensinaram muitas coisas e me deram muitas habilidades diferentes. Sempre sou elogiado por ser comunicativo, tenho habilidades avançadas no pacote Office completo, aprendi a mexer em estoque, arquivo, realizar trabalhos braçais etc.
Só que em certo momento percebi que precisava de um trabalho formal. Algo que estivesse registrado em minha carteira de trabalho. Aqui entra outra coisa que gosto muito: idiomas. Desde cedo sempre estudei outras línguas por conta própria. Sempre foi um hobbie meu. Me tornei fluente em inglês, consigo conversar em francês e japonês e tenho certo conhecimentos de espanhol e LIBRAS. Aproveitando essas minhas habilidades, consegui me tornar professor de inglês.
Mas a ideia de virar professor de inglês nunca me foi permanente. A falta de perspectiva de uma carreira nunca fez com que eu quisesse ser professor. Pesquisador sempre tive vontade. Por outro lado, vejo amigos meus com 30, 35 anos fazendo doutorado, pesquisas maravilhosas, mas precisando arrumar outros empregos para se manter e ganhar mais ou menos mil reais por mês. Não é uma vida que quero ter.
Estou com 23 anos no momento. Quando estava com 20, decidi que iria para outra área que sempre tive muito interesse: a parte comercial. Sempre fui bem com números. Não só enquanto trabalhava no escritório de contabilidade de meu pai, mas também participei e "ganhei" algumas Olímpiadas de Matemática enquanto estava na escola. A área administrativa também era interessante. Então pensei bastante e cheguei a conclusão que se conseguisse algo na área de Relações Internacionais ou Comércio Exterior, teria a carreira que sempre quis.
Isso se deu por volta do início de 2018. Achar estágio na área de História (em museus e coisas do tipo) nunca deu certo, tanto pela falta de vagas quanto pela carga horária diária do meu curso que nunca batia com o que eu achava. Consequentemente, fui procurar estágios e empregos em Relações Internacionais e Comércio Exterior. Assim se deu o meu ano de 2018. Obviamente, sem nenhum resultado.
Eu mandava todo mês meu currículo para inúmeras vagas. Nunca recebi uma única resposta. Tudo bem. Bola pra frente. 2019 chegou e eu me formei na metade do ano. Mais 6 meses sem nenhuma resposta. Nesta época, eu já enviava o currículo semanalmente. Queria alguma oportunidade em RI ou Comex. Eu achei que História era um curso similar o suficiente. Pelo jeito, as empresas não concordavam.
Depois de minha formatura, há quase um ano e meio procurando, decidi investir em concursos públicos. Talvez eu conseguisse uma área no setor comercial ou administrativo do Estado. Não seria um problema se eu pudesse migrar posteriormente. Prestei vários concursos que fiquei três ou quatro vagas abaixo da linha de corte. A frustração era grande, mas eu continuava.
Enquanto isso, precisava me sustentar. Portanto, permaneci dando aulas de inglês. Não posso negar, sou bom nisso. Não muito bom, mas o suficiente para receber elogios esporádicos tanto de alunos quanto colegas. Quem sabe se em algum momento eu me dedicasse à área pedagógica, pudesse crescer e construir uma carreira ali.
Porém, eu sabia que investir na área pedagógica me afastaria completamente de RI e Comex. Então nunca fiz isso ou fui para esse lado. Em certo momento de 2019, passei no edital do IBGE para o Censo 2020. Meu nome foi homologado no Diário Oficial da União. Eu estava dentro. Tinha conseguido algo diferente, além de dar aula. A frustração parecia ter acabado. Só precisava esperar março de 2020 para ser chamado. Minha namorada chorou de felicidade por mim. Eu também estava transbordando por dentro.
Aí aconteceu que... a pandemia. Todos sabem. A verba do Censo 2020 foi cortada completamente nesse ano e transferida para o segundo semestre de 2021, isso se não for postergada mais uma vez. Depois, descobri que o concurso que tinha passado era PSS e mesmo eu estando dentro, não significava que seria chamado. Nisso já era metade do primeiro semestre de 2020 e eu também não havia parado de mandar currículo para RI e Comex. Se eu conseguisse um emprego nessa área, não ficaria no IBGE (pois o cargo era temporário de apenas um ano).
Extremamente frustrado, depois de muitas e muitas (e muitas) crises de raiva, tristeza e angústia, decidi investir em alguma coisa que fosse mudar tudo. Comecei uma segunda graduação. Moro em Curitiba e diante das possibilidades de cursos que poderia fazer nessa área, optei pela que me pareceu melhor: Comércio Exterior.
Minhas aulas começaram em julho desse ano. Desde o mês sete, tenho uma única rotina: todo dia da semana eu acordo, vasculho a internet, sites especializados, grupos de WhatsApp e Telegram, em busca de empregos para a área comercial, administrativa, financeira ou até logística. Existem muitas coisas em cada um desses setores com as quais eu adoraria trabalhar. Todo dia, literalmente todo dia mesmo, eu me inscrevo em média de uma até três vagas - tipo, todo dia.
Desde julho, sou rejeitado em umas 30/40 vagas mensalmente. Entrar em uma segunda graduação de Comércio Exterior realmente ajudou: agora sou chamado para entrevistas e provas. No entanto, sempre que me perguntam se eu faço alguma coisa, se ainda trabalho, digo que tenho o trabalho temporário de instrutor de línguas. Algo que quero largar assim que conseguir outro trabalho na área que quero, ou seja, na área para a qual estou me inscrevendo.
Só que é sempre nessa parte, é sempre nesse momento que vejo claramente que sou colocado de lado. Ninguém quer contratar alguém que precisou trabalhar como professor. Algo pedagógico, muito diferente do mundo comercial. Sempre elogiam minha curiosidade por línguas, acham legal meu contato com setores administrativos e financeiros no passado, mas por terem sido trabalhos informais, ninguém se importa. Sim, estou frustrado.
Dia após dia recebo e-mails falando que não foi dessa vez. Isso quando os recebo. A maior parte das inscrições por e-mail não são respondidas. As que realizo por sites diversos, estão marcadas 90% como "Rejeitado por falta de experiência". Todos estágios. É sério. Tenho mais de 40 vagas de estágio rejeitadas por "falta de experiência". Repito novamente porque estou frustrado: estágios.
Eu não consigo um único estágio. Em nenhuma área. Todo dia sou recusado. Não importa se é RI. Setor de compras. Setor administrativo. Setor financeiro. Setor de logística. Só preciso desse primeiro emprego na área. Aposto que os demais vão vir muito mais facilmente (porque mais difícil não tem como existir).
E receber constantemente, apesar do esforço diário de mandar currículos, atualizar informações em sites (sim, tenho perfil em LinkedIn e mais outros diversos sites de emprego), apenas me lembra do meu fracasso. Não tenho perspectivas nenhuma de que vou conseguir. Nenhuma perspectiva que vou mostrar para alguém quão esforçado posso ser. Quão dedicado. Eu só preciso de uma chance para a primeira oportunidade.
Estou nessa há 3 anos. Acumulo quase 100 rejeições totais desde que comecei minha segunda graduação. Cada vez me empenho mais para tentar. Cada vez tenho menos vontade e fico pior. Menos motivado. Antes que alguém fale alguma coisa (se alguém aguentou ler esse textão de desabafo até aqui), estou sempre verificando meu currículo: como apresentar informações, tirando, colocando coisas. Já contratei profissionais de currículos que analisaram e mudaram algumas coisas. Já apresentei pra muitos profissionais colegas e da família que deram algumas sugestões e elogiaram outras coisas. É algo que estou sempre tentando melhorar, mais e mais.
Pra encerrar, existe um fator nisso tudo que aumenta ainda mais a frustração comigo mesmo, a frustração com todo esse cenário. Minha namorada trabalha na área de tecnologia. Em 2019, decidiu arranjar um estágio. Se inscreveu para três e conseguiu um deles. Agora em 2020 decidiu ir para outro, se inscreveu em uma única vaga e foi aprovada. Não tenho raiva nem dela. O que mais me afeta é a diferença da facilidade de conseguir emprego em uma área comparada à outra. Ela é minha namorada. Amo ela e estou feliz que ao menos um de nós está tendo conquistas dessa área. Mas não consigo deixar de ficar pior, o problema sou eu? Nunca vou conseguir uma vaga simplesmente por causa da minha primeira formação? Porque precisei dar aulas para me sustentar? O problema é algum outro?
Enfim, esse é o meu desabafo. Desculpem pelo tamanho do texto e obrigado se alguém chegou até aqui.
submitted by Creative_Oven_6350 to desabafos [link] [comments]