Banco de dados de acesso atualização

Valorant e seu anti-cheat Riot Vanguard

2020.06.22 05:05 CDninja Valorant e seu anti-cheat Riot Vanguard

Caros bredditors,
EDIT:
TLDR - O Vanguard é basicamente um programa que age como um vírus, instala automaticamente com o Valorant e inicia junto com o Windows, ao contrário de outros jogos.
Sei que muitos de vocês são gamers ou estão envolvidos de alguma forma com a comunidade gamer. Estou fazendo esse post para chamar atenção a respeito do jogo Valorant e o anti-cheat que é instalado com ele, o Riot Vanguard.
Instalei recentemente o jogo e percebi que o anti-cheat em questão roda ao iniciar o Windows, mesmo sem iniciar o jogo. Além disso, se o serviço for desativado, o jogo só pode ser iniciado após reiniciar o computador. O que é muito estranho.
Então, parti para uma pesquisa rápida com alguns amigos, e o que foi encontrado é no mínimo intrigante:

O anticheat tem privilégios excessivos sobre o computador e é capaz de bloquear aplicativos que ele julga "vulneráveis", sendo que anteriormente já existiam relatos de programas legítimos (ex: msi afterburner) sendo bloqueados. NENHUM programa deveria ter a permissão de bloquear outros programas no computador, sendo a exceção apenas os antivírus. Isso quer dizer que o anticheat tem acesso privilegiado ao sistema e realiza tarefas em segundo plano sem o seu consentimento.
https://www.pcgamer.com/the-controversy-over-riots-vanguard-anti-cheat-software-explained/

Segundo a própria Riot, o programa se comporta dessa forma sob a justificativa de que
"Isso é bom para parar os cheaters, porque uma maneira comum de ignorar os sistemas anti-fraude é carregar os cheats antes que o sistema anti-cheat seja iniciado e modificar os componentes do sistema para conter o cheat ou alterar a cheat do sistema anti-cheat enquanto ele carrega. A execução do driver no momento da inicialização do sistema torna isso significativamente mais difícil."
Ou seja, sob a justificativa de conter cheaters, você garante ao programa, e seus moderadores, o acesso completo aos serviços executados em seu computador. Qual nível de acesso? O Vanguard tem um componente de driver do núcleo o sistema, chamado vgk.sys, que possui os mais altos privilégios de acesso.
https://www.reddit.com/VALORANT/comments/fzxdl7/anticheat_starts_upon_computer_boot/fn6yqbe/ - Comentário de um funcionário da Riot sobre o assunto.

Um programa desse tipo abre uma brecha de segurança importante. Com acesso privilegiado, sendo basicamente o "rootkit", ele pode ver e manipular grande parte dos dados do computador. Além de a própria Riot poder espionar seus usuários (lembrando aqui que a Riot é propriedade da Tencent), existe uma possibilidade real de uma falha ser descoberta por hackers num futuro não muito distante que por consequência terão acesso irrestrito aos computadores de todos os jogadores.
Segundo a Riot,
" O driver Vanguard não coleta ou envia nenhuma informação sobre seu computador para nós. Qualquer verificação de detecção de fraude será executada pelo componente não-driver somente quando o jogo estiver em execução. "
e ainda,
"Se um bug for encontrado nos drivers da Vanguard, o sistema foi configurado para ser fácil de atualizar em qualquer cadência necessária (separada da cadência de atualização do jogo), portanto, provavelmente poderemos responder em algumas horas. Durante essas horas, o Vanguard seria desativado no jogo, e os jogadores seriam instruídos a desinstalá-lo nesse meio tempo. "
Ou seja, além de não termos como confirmar se o Vanguard realmente não coleta informações, a Riot tem o poder de instalar qualquer atualização (e em teoria qualquer coisa) nos computadores sem a necessidade de aceite pelo usuário.
https://arstechnica.com/gaming/2020/04/ring-0-of-fire-does-riot-games-new-anti-cheat-measure-go-too-fa

A maneira com que a Riot usa seu anti-cheat é desnecessariamente invasiva e não impede que haja usuários usando cheats no Valorant. Mesmo que no momento não haja maiores motivos de preocupação, o Vanguard age basicamente como um vírus no sentido que tem acesso a tudo e pode ser facilmente utilizado para fins maliciosos.
Desaconselho fortemente a instalação do Valorant em um computador que contenha informações sensíveis, como informações de banco e documentos.
Valeu pessoal, só isso mesmo.
submitted by CDninja to brasil [link] [comments]


2020.03.03 23:17 shastybsd PostgreSQL no FreeBSD com banco de dados em pt_BR

Ambiente:
FreeBSD 12.1 AMD64 PostgreSQL 10.11 

Atualização do pkg e instalação do PostgreSQL
 # pkg update -f # pkg install postgresql10-server 

Parâmetros do PostgreSQL pós instalação
Acertar a classe do login do usuário postgres para linguagem em pt\_BR Editar /etc/login.conf e inseri as linhas abaixo: postgres:\ :lang=pt_BR.UTF-8:\ :setenv=LC_COLLATE=C:\ :tc=default: Atualizar a base de dados com o comando: # cap_mkdb /etc/login.conf Editar o /etc/rc.conf e inserir os seguintes parametros para o PostgreSQL postgresql_enable="YES" postgresql_class="postgres" postgresql_initdb_flags="--encoding=UTF8 --lc-collate=pt_BR.UTF-8 --lc-ctype=pt_BR.UTF-8" 

  1. Inicialização do banco de dados

 # /uslocal/etc/rc.d/postgresql initdb 

  1. Configuração do PostgreSQL
    Alternar para o usuário postgres
    # su – postgres 
    A base de dados fica em /vadb/postgres/data10
    $ cd /vadb/postgres/data10/ 
    Editar o arquivo pg_hba.conf para liberar o acesso para a rede local. Neste caso a rede local é 192.168.101.0/24, ajustar para a rede utilizada localizando no arquivo a seguinte linha:

    IPv4 local connections:

    host all all 127.0.0.1/32 trust
    Após, insira logo abaixo a linha:
    host all all 192.168.101.0/24 trust
    Editar o arquivo postgresql.conf e localizar a linha:

    listen_addresses = ‘localhost’

    Retirar o comentário e alterar para:
    listen_addresses = ‘*’
    Após esses procedimentos, será necessário iniciar o banco de dados. Será necessário retornar para o usuário root.
    # /uslocal/etc/rc.d/postgresql start 
submitted by shastybsd to u/shastybsd [link] [comments]


2019.07.12 18:05 JesseAmaro77 SCUM - Hotfix do Hotfix .15446

SCUM - Hotfix do Hotfix .15446

SCUM - Nova Atualização


Sim, todos nós sabemos o que fizemos ontem e lamentamos muito, por isso estamos tentando corrigir os problemas. :)
Em relação ao caos de ontem, o patch que implantamos tinha problemas com o sistema de compilação básico e, em troca, causou bancos de dados corrompidos, então tivemos que reverter para a versão mais antiga do jogo. Esse hotfix contém tudo do último, mais alguns extras adicionados e a correção do problema que causou o problema. Se você perceber que os elementos / elementos de criação de itens / base desapareceram, também sentimos muito por isso, mas não podemos restaurar seus materiais perdidos. Infelizmente, tal é a vida no acesso antecipado.

Correções de BUGs


  • Corrigido o bug onde você podia ver baús através das portas da cabine.
  • Corrigido o erro em que o indicador da área de sinalização giraria com o sinalizador.
  • Corrigido o erro em que os itens nos baús desapareciam com duplo clique se o inventário estivesse cheio.

MÓVEIS

Nós adicionamos mais elementos de construção de base, o primeiro lote será várias opções de móveis para uma casa mais aconchegante.


https://preview.redd.it/k171wg2obw931.png?width=1920&format=png&auto=webp&s=363da87cd82ead269825748f6b70cc3d2657aa74
  • Corrigido o erro onde alguns ingredientes do edifício base não teriam som de preenchimento.
  • Corrigidos os erros que causavam a queda de veículos no solo e outros comportamentos irregulares.
  • Corrigido o bug onde você não poderia pilhar corpos debaixo d'água.
  • Corrigido o erro em que o reloging com blueprint de parede não carregava o blueprint corretamente.
  • Corrigido erro com propagação de arma não atualizado pela postura quando equipado.
  • Corrigido o erro em que as máscaras de mergulho eram invisíveis quando você as deixava no chão.
  • Corrigido o bug onde os jogadores podiam destruir bandeiras e baús através das paredes.
  • Corrigido o bug onde você poderia construir abrigos em bases inimigas.
  • Correção em potencial para falha no bate-papo por voz.


Adições de Jogabilidade

  • Elementos base reduzidos destroem o tempo para os drones.
  • As estruturas das portas do prédio base agora causam danos quando pisadas.
  • A distância de interação agora deve ser a mesma na visão de primeira e terceira pessoa.
  • Pequenas otimizações de cliente e servidor.
  • Agora você pode clicar duas vezes para pegar itens do estoque do peito e do carro.
  • Adicionado sinalizador de base apenas de apoio.



https://preview.redd.it/yqjpjcetbw931.png?width=256&format=png&auto=webp&s=b9f2403588f3001960ff2e3c47b74a7d54c08b75
submitted by JesseAmaro77 to scumbrasil [link] [comments]


2018.09.10 17:19 Mountaineer_br AURUTILS, Mais Um Ajudante do Aur

================ AURUTILS : AJUDANTE DO AUR ================
[Atualizado pela última vez em 18/09/18]
[!! Atualizado - Havia incompatiblidade entre os arquivos gerados pelo Repo-add e Repo-remove e depois quando se utilizava o Repose para manutençãp da base de dados; agora somente se usa o Repose]
Tutorial em Texto (Atualizado): https://docs.google.com/document/d/1syTqbeh9YOM-M8JYS_tjaleLkfESV74Q7pGEUQCZzO8/edit?usp=sharing
Tutorial em Vídeo: https://youtu.be/dAGWKwHJ4no https://youtu.be/NljLFBGERgI
== INTRODUÇÃO E BASE TEÓRICA ==
Os auxiliares ou ajudantes do Arch User Repository (AUR) automatizam certas tarefas para usar o AUR. A maioria dos auxiliares automatiza o processo de obtenção de um pacote PKGBUILD do AUR e a compilação do pacote.
*Atenção: Auxiliares do AUR não possuem suporte pelo Arch Linux. Você deve se familiarizar com o processo manual de compilação para estar preparado para diagnosticar e resolver problemas.
O Yaourt é um tipo de ajudante do AUR, porém tem-se visto ultimamente o seu desenvolvedor atualizando infrequentemente o pacote; na realidade, o Yaourt ainda funciona muito bem, porém é um bom hábito mudarmos para um auxiliar de AUR que possua um desenvolvedor animado e dócil, tanto para corrigir eventuais bugs devido a atualizações do Arch, assim como implementar funções que fazem sentido para sua comunidade.
Há um outro auxiliar de AUR muito bom escrito em Phyton e que ganhou fama rapidamente este ano, chamado de Aurman. Recentemente, o seu desenvolvedor parou com os canais de suporte direto aos usuários. Ficou irritado com tantos pedidos de funcionalidades e relatórios de erros do Aurman, e também com a ignorância dos usuários que reclamavam para ele de problemas que, na realidade, não tinham a ver com o Aurman, mas sim, por exemplo, com assinaturas GPG que não tinham sido importadas pelo próprio usuário, ou ainda PKGBUILDS que precisavam ser configurados antes da compilação.... Assim, tanto por conta dos usuários tanto por conta das pobres habilidades comunicativas do desenvolvedor, formou-se uma comunidade tóxica ao redor do Aurman.
Alternativas a esses dois grandes ajudantes de AUR são muito numerosos no mundo do Arch; o Yay tem uma boa piada de desenvolvedor na seção de "objetivos" na descrição do GitHub:
"Há um momento na vida de todos que se sente uma necessidade de escrever um ajudante de AUR porque há apenas cerca de 20 deles. Então diga oi para 20 + 1."
O Yay, programado em Go, depende de um monte de livrarias do Go. Se isso não for um problema para seu sistema, ele é super recomendável.
Ainda, em uma outra categoria de ajudantes de AUR (até agora não citamos nenhum ajudante de AUR que use "interface gráfica"), enquandram-se o Aurutils e o Bauerbill, que são coleções de scripts ao invés de algoritmos monolíticos como o Yaourt e Aurman.
Nesse tutorial, vamos instalar, adicionar um servidor do Pacman personalizado para o AUR, aprender a procurar pacotes do AUR, a instalá-los e a removê-los com o poderoso Aurutils e ferramentas do Pacman.
O desenvolvedor do Aurutils, Alad Wenter, propõe um ajudante com uma implementação com atributos de uma linguagem minimal, ou seja, uma linguagem de scripts como dash, e a preferência pela simplicidade ao invés da hiper-funcionalidade. A necessidade específica de ação de um programa segue a filosofia dos programas do UNIX.
Doug McIlroy, o inventor do sistema e um dos fundadores da tradição UNIX, resumiu (1994) a filosofia do mesmo muito tempo depois de sua criação da seguinte forma :
"Escreva programas que façam uma coisa e façam-na bem. Escreva programas para trabalhar juntos. Escreva programas para manipular fluxos de texto, porque essa é uma interface universal."
O Aurutils é na realidade um grupo de scripts que operam funções bem definidas. Vamos nos preocupar aqui somente com três dessas funções: Aursearch (busca por pacotes disponíveis nas bases de dados), Aursync (que irá usar vários scripts conjuntamente para fazer download do código-fonte e compilar um binário) e o Aurcheck (para checar por atualizações dos pacotes do AUR).
== INSTALAÇÃO & CONFIGURAÇÃO ==
O Aurutils não está disponível em nenhum repositório oficial do Pacman. O seu código-fonte encontra-se no AUR.
Se você já tiver um ajudante de AUR no computador como o Yaourt, utilize-o para compilar e instalar o Aurutils do AUR ( depois que estiver acostumado com o Aurutils, poderá remover o Yaourt -- é essa a motivação desse tutorial! )
Mas vamos supor que acabamos de instalar o Arch Linux e ainda não temos nenhum ajudante do AUR disponível no sistema. Nesse caso, vamos precisar usar as ferramentas do "Git" e o script do Pacman chamado de "Makepkg". Se não tiver o git, instale-o juntamente com suas dependências:
$ sudo pacman -S git
Abra um terminal e crie uma pasta "ajudanteaur", por exemplo, dentro da pasta do seu usuário:
$ mkdir ajudanteaur
Depois precisaremos entrar na pasta cridada:
$ cd ajudanteaur
Vamos clonar o código-fonte do Aurman pelo Git:
$ git clone https://aur.archlinux.org/aurutils.git
E dê um cd para a pasta aurutils que foi criada com o comando do git:
$ cd aurutils
Em seguida, vamos usar o script do Pacman para construir o binário e instalá-lo no sistema, mas antes precisamos adicionar a assinatura GPG do desenvolvedor do Aurutils no nosso molho de chaves no Arch , do contrário o binário não poderá ser compilado (vai dar erro):
$ gpg --recv-keys 6BC26A17B9B7018A
$ makepkg -si
Siga as instruções no visor para compilação/instalação do binário no sistema. Observe que deverá ser feita a instalação das dependências do Aurutils, também. Essas dependências incluem pacotes dos repositórios oficiais como: base-devel devtools vifm aria2 parallel expac repose . Para ter certeza que foram instalados:
$ sudo pacman -S base-devel devtools repose vifm vim aria2 parallel expac
Os pacotes mais importantes são "base-devel" e "devtools" (OBRIGATÓRIOS) que têm ferramentas para compilação de pacotes, "Repose" (OPCIONAL) que é um gerenciador de base de dados que vamos precisar no final, "vifm" e "vim" (OPCIONAL) para modificar arquivos de PKGBUILD e PATCH na linha de comando; "aria2" e "parallel" (OPCIONAIS) para downloads simultâneos; e o "expac" (OPCIONAL) que é um scrpit usado pelo Aursift, que tem funções avançadas de compilação para desenvolvedores de aplicativos...
== CRIANDO UM REPOSITÓRIO PERSONALIZADO DO AUR ==
Será necessária a criação de um repositório personalizado localmente e configurá-lo para ser utilizado pelo pacman. De acordo com o manual do aurutils, vamos primeiro configurar o repositório pessoal chamado "custom" e em um segundo momento vamos de fato criar o banco de dados "custom". Acredito que aqui a ordem dos fatores não altere o produto mas estou seguindo o tutorial do desenvolvedor.
Assim, comece criando um arquivo de configuração separado para o repositório personalisado "custom";
Como root, crie um arquivo de texto dentro da pasta "/etc/pacman.d/" com o nome "custom" e insira no arquivo de texto o seguinte:
[options] CacheDir = /vacache/pacman/pkg CacheDir = /vacache/pacman/custom CleanMethod = KeepCurrent
[custom] SigLevel = Optional TrustAll Server = file:///vacache/pacman/custom
Ainda como root, navegue até o arquivo "/etc/pacman.conf" e adicione a seguinte linha no final do arquivo, onde for possível:
Include = /etc/pacman.d/custom
Em uma janela de terminal, criaremos o diretório do respositório "custom" e depois povoar o respositório;
$ sudo install -d /vacache/pacman/custom -o $USER
Em seguida, caminhe até o diretório:
$ cd /vacache/pacman/custom
E depois vamos criar uma base de dados nova com o prohgrama Repose:
$ repose -vf custom.db
Explico, -v para verbose e -f para também criar um arquivo “custom.files” (uso do Pacman)
Por fim, sincronize as bases de dados com o Pacman:
$ sudo pacman -Syu
*Nota do desenvolvedor do Aurutils (página do manual): É recomendado usar-se o diretório de cache do pacman (CacheDir) como o provedor dos pacotes; isso evita que haja qualquer incompatibilidade entre os pacotes compilados e qualquer versão em cache. Por essa razão vamos seguir o tutorial original do desenvolvedor, mas se você quiser fazer pastas de cache para o Aurutils em outra localização diferente da que mostramos aqui, você deverá se atentar para modificar as configurações do Pacman lerem os diretórios adequados).
Configuração concluída!
== USO DOS SCRIPTS DO AURUTILS : AURSEARCH, AURSYNC E AURCHECK ==
Para procurar um pacote, usar o script "Aursearch"
$ aursearch [nome_pacote]
Para baixar o código-fonte de um aplicativo e compilá-lo como a maioria dos outros ajudantes de AUR, usa-se o script "aursync" (que roda os scripts do "aurfetch", "aurchain" e "aurbuild" em conjunto):
$ aursync [nome_pacote]
Se houver o programa "vifm", o aursync vai mostrar os arquivos de configuração para compilação do código-fonte, como PKGBUILD e PATCHES, e uma maneira de editá-los na interface de linha, do contrário o Aursync só vai mostrar uma lista com o nome dos arquivos que foram baixados; você poderá abrir e modificar esses arquivos, via interface gráfica, antes de dar prosseguimento à instalação;
*Atenção. Para SALVAR e SAIR do VIM e VIFM, aperte “Esc” e depois “:x”; Para SAIR do VIM e VIFM, aperte “Esc” e depois “:q”;
*Atenção. Se houver errors relacionados à falta da chave dos desenvolvedores no seu molho de chaves, adicione as chaves com o comando “gpg --recev-keys [CHAVE]”
Depois da compilação sem erros (que podem ser resultado de más configurações do PKGBUILD), será feita uma cópia do binário produzido no repositório "custom" que criamos, e automaticamente o Aursync irá atualizar o arquivo da base de dados e disponibilizará o registro do binário no repositório.
Porém, o binário que tem uma cópia no repositório ainda precisa ser instalado via Pacman no sistema operacional ( em /usbin ); esse é um passo normal que os ajudantes de AUR como Yaourt também fazem, porém faremos manualmente (se não me engano, no Aurutils não tem um gancho no script que faz essa parte ou eu ainda não descobri...).
Então, vamos sincronizar os repositórios, incluaindo o repo pessoal "custom", para o pacman saber quais binários estão disponíveis:
$ sudo pacman -Sy
Finalmente, podemos instalar o binário gerado pelo Aurutils no sistema. Note que o binário agora está disponível no repositório "custom" e reconhecido pelo Pacman para instalação no sistma (ou seja, instalação do binário na pasta /usbin ) :
$ sudo pacman -S [nome_pacote]
Note que o Pacman vai buscar o pacote do repositório "custom" que criamos anteriormente.
Para checar se há updates do AUR, rodar:
$ aurcheck -d custom
A flag "-d" diz para o aurcheck checar por atualizações no repositório "custom".
== MANUTENÇÃO DOS PACOTES DE CACHE DO AURUTILS & PACMAN ==
Depois de instalar e desinstalar vários pacotes pelo Aurutils, os códigos-fontes irão ficar guardados em "/home/$USE.cache/aursync", e uma outra cópia do binário compilado disponível no repositório "custom" em "/vacache/pacman/custom". Essa parte de limpeza geralmente é manual e deve ser feita periodicamente para economizar espaço em disco e consolidar a base de dados do Pacman e Aurutils.
Poderá limpar o cache de códigos-fonte em "/home/$USE.cache/aursync" sem problemas, porém os binários gerados da compilação desses cógigos-fintes ainda irão estar disponíveis no repositório "custom" do Pacman.
Para remover binários de versões anteriormente instalados que ainda estão disponíveis no repositório "custom", pode-se usar tanto o comando do Pacman ou o script de limpeza do Pacman, que são mais ou menos equivalentes. Prefere-se o método de script do Pacman, "Paccache". (Acredito que você poderá, mais seletivamente que o Paccache, deletar os pacotes com binários do repositório custom manualmente, e depois prosseguir para a reconstrução da base de dados do respositório).
O Paccache é um script poderoso e flexível para limpeza de cache do Pacman. Ele está junto com o pacote “pacman-contrib” de ferramentas mantido pela comunidade; se não tiver esse pacote ainda, instále-o com:
$ sudo pacman -S pacman-contrib
Para remover a disponibilidade dos binários de versões anteriores somente no repositórios personalizado “custom”, menos as três últimas versões de cada pacote (padrão), rodar:
$ paccache -rk 3 -c /vacache/pacman/custom
Onde “-r” é o comando de remover versões antigas; “-k” (keep) de manter o número n de versões do pacote instalado mais recentes; e “-c” designa o caminho do diretório de cache do repositório que queremos que o Paccache faça a limpeza;
Para remover todas as versões mais antigas, menos a versão atual dos binários, no repositório "custom":
$ paccache -rk 1 -c /vacache/pacman/custom
Para remover todo o cache de todas as versões de pacotes contidos no repositório "custom":
$ paccache -rk 0 -c /vacache/pacman/custom [*AVISO: Ação não recomendada pois o Aurcheck possivelmente não conseguirá procurar por atualizações de pacotes que foram removidos do cache; porém desde que o arquivo de base de dados “custom.db” não for atualizado com Repose, o Aurcheck ainda conseguirá checar por updates!]
*Atenção. Se o caminho do cache “-c /vacache/pacman/custom” não for especificado, o Paccache irá fazer a limpeza nos repositórios oficiais do Pacman e em quelquer outro repositório pessoal que tenha sido criado dentro de /vacache/pacman/ . Nesse caso, pode-se utilizar o comando do próprio pacman que é equivalente ao do Pacache para deixar as três últimas versões de pacotes nos repositórios com:
$ sudo pacman -Sc
Ou o comando abaixo para retirar todo o cache de binários disponíveis localmente de todos os repositórios (Cuidado!):

$ sudo pacman -Scc [AVISO:Comando *não recomendado também!]

Para que serve uma cópia do pacote de binário no repositório "custom"? Isso permite que o Pacman possa desinstalar um programa e reinstalá-lo no sistema mesmo sem acesso à internet; e se alguma atualização afetar negativamente um aplicativo, poderá utilizar o cache de um binário mais antigo do mesmo pacote (downgrade) que não apresente problemas.
Se você precisar fazer downgrade de um aplicativo, ou se quiser reinstalar um aplicativo que desinstalou, deverá fazer novo download do binário pelo Pacman ou recompilar pelo Aurutils pelas formas convencionais, e isso é sempre um risco já que você não sabe se uma nova versão do aplicativo irá realmente funcionar no seu sistema ao invés de usar um binário que já estava disponível no repositório pessoal! Além disso, com os pacotes com os binários já compilados no seu repositório personalizado local, poderá fazer uma cópia desse repositório no pen-drive e levar para um novo computadosistema e reinstalar todas as últimas versões dos aplicativos sem precisar compilar eles de novo do código-fonte.
Sempre que se desinstalar um pacote do sistema e quiser retirar o binário do repositório local “custom” ou limpar as suas versões antigas, é necessário atualizar a base de dados do repositório pessoal "custom" que é utilizado pelo Pacman manualmente, com a ajuda de um gerenciador de base de dados chamado "Repose" (instalado no primeiro passo deste tutorial); Navega-se até a pasta /vacache/pacman/custom e deleta-se os pacotes que não tem mais interesse e depois atualiza-se o arquivo da base dados da seguinte forma:
$ cd /vacache/pacman/custom
$ repose custom.db -v
O Repose irá atualizar o arquivo “custom.db” e -v para verbose que irá mostrar as operações que efetuou.
Para uma lista (-l) com os binários disponíveis no “custom.db”, rode dentro da pasta de cache:
$ respose -l custom.db
Nessa operação, o Repose irá verificar quais pacotes estão disponíveis de fato no cache do repositório e atualizar a base de dados. Então, é necessário usar o “cd” e caminhar até a pasta de cache do repositório “custom”, primeiro, assim o Repose poderá operar com os arquivos da pasta sem precisarmos especificar caminhos para ele.
*Em caso de manutenção e limpeza de pacotes, também não se esqueça de excluir os códigos-fonte na pasta “/home/[usuário]/.cache/aursync”
Agora, sincronize todas as bases de dados para o catálogo de programas ficarem disponíveis para o Pacman com:
$ sudo pacman -Sy
*Exclarecimento: os procedimentos manuais que qualquer ajudante ou wrapper do AUR substituem são os seguintes:
Download do código-fonte -> Compilação do binário e empactamento -> Cópia do pacote para um repositório local -> Atualização do banco de dados do repositório local -> Uso do Pacman para instalação do binário no sistema
== Exemplos de uso do Repose ==
IMPORTANTE: Caminhe até a pasta que se quer criar uma base de dados para sempre rodar os comandos da pasta em que irá de fato trabalhar:
$ cd /vacache/pacman/custom
Cria um arquivo de base de dados limpo, ou se já houver pacotes na pasta, atualiza a base de dados com os novos pacotes. Aqui, o arquivo da base de dados terá o mesmo nome que o repositório local e se chamará "custom.db":
$ repose -vf custom.db
A opção "-v" da verbose sempre pode ser utilizada para podermos ver o que o programa está fazendo, do contrário, o Repose só irá mostrar mensagens se houver algum erro ou aviso; e estamos usando de forma explícita a opção "-f" é para criar um arquivo adicional de banco de dados "custom.file" que é usado pelo Pacman (padrão).
Quando o Aurutils já tiver compilado um binário, criado o pacote para a instalação (xyz.pkg.tar.gz) e copiado ele para a pasta do repositório custom local, você poderá atualizar o arquido de banco de dados com o seguinte comando:
$ repose custom.db -v
Neste caso, como o Repose vai encontrar o arquivo "custom.db", irá simplesmente atualizá-lo e a opção "-v" vai mostrar quais pacotes ele está inserindo na base de dados (adding) e quantos retirando (dropping).
Assim, sempre que Deletar um pacote do cache do repositório local, atualize o arquivo de bacno de dados.
Após essas operações, não se esqueça de Sincronizar os repositórios do Pacman com:
$ sudo pacman -Sy
*Lembre-se que o Aursync já atualiza o arquivo do banco de dados automaticamente toda vez que compila um pacote novo.
== REFERÊNCIAS ==
1) https://wiki.archlinux.org/index.php/AUR_helpers_(Português)
2) https://wiki.archlinux.org/index.php/Talk:AUR_helpers
3) https://www.reddit.com/archlinux/comments/9aotjaurman_no_longer_being_maintained_publicly/
4) https://www.ostechnix.com/recommended-way-clean-package-cache-arch-linux/
5) https://www.reddit.com/archlinux/comments/7kxa9o/aurutils_reporemove_in_a_pacman_hook_and_list/
6) https://homepage.cs.uri.edu/~thenry/resources/unix_art/ch01s06.html
7) $ man pacman.conf Vide "REPOSITORY SECTIONS"
8) $ man aurutils
9) $ man aursync
10) $ man paccache
11) $ man repose

submitted by Mountaineer_br to linuxbrasil [link] [comments]


2016.06.22 13:53 rapozaum Alguém aqui usa o GuiaBolso?

Não conheço ninguém que use e queria saber se só eu tô achando que deu uma queda na qualidade (velocidade de atualização).
Antes eu podia acessar e confiar direto nas informações de lá, mas já peguei umas 3x e precisei conferir o lançamento no app do Banco...
Pra quem não conhece, o GuiaBolso é um serviço gratuito de controle financeiro.
O que me fez testar ele e passar a usar foi o fato dele usar os acessos às minhas contas pra atualizar seus dados.
INB4 "vc vai ser hackeado", o GuiaBolso só usa as senhas de acesso. Pros bancos que lancei nele, existem passos adicionais (outra senha ou cartão de acesso) necessários para qualquer transação, aí eu achei seguro.
submitted by rapozaum to brasil [link] [comments]